Geral

Após anular eleição, país fecha fronteiras e proíbe TVs estrangeiras

Da Redação ·
 Soldados de paz da ONU ficam em alerta durante manisfestação contra demora no resultado das eleições; país fechou fronteiras
fonte: Sia Kambou/02.12.1010/AFP
Soldados de paz da ONU ficam em alerta durante manisfestação contra demora no resultado das eleições; país fechou fronteiras

A Costa do Marfim ordenou "a suspensão por prazo indeterminado" da transmissão de redes de televisão informativas estrangeiras, anunciou nesta quinta-feira (2) o órgão de regulação audiovisual local. Já o Exército fechou todas as fronteiras do país para "garantir ordem".

continua após publicidade

Os resultados anunciados hoje pela Comissão Eleitoral, que deram ao opositor Alassane Ouattara a vitória nas eleições presidenciais do último domingo (28), aumentaram a tensão no país e acabaram invalidados hoje.

continua após publicidade

O Conselho Nacional de Comunicação Audiovisual (CNCA, público) justificou a proibição para "garantir a paz social fortemente afetada" no país.

continua após publicidade

O anúncio da vitória de Ouattara com mais de 54% dos votos, derrotando o atual presidente do país Laurent Gbagbo, foi rapidamente divulgado pelas redes de televisões estrangeiras disponíveis na Costa do Marfim.

A chapa de Gbagbo dirigiu-se ao conselho para anular os votos "fraudulentos" do norte. A eleição tinha como objetivo unificar o país do oeste africano, exportador de cacau, após uma guerra civil em 2002 e 2003 que dividiu a nação em duas.

continua após publicidade

Exército fecha fronteiras com resultado das eleições

continua após publicidade

Também nesta quinta o Exército anunciou o fechamento de todas as fronteiras "até nova ordem", anunciou o Estado-maior em um comunicado TV pública.

- As fronteiras terrestres, aéreas e marítimas do país estão fechadas à circulação de pessoas e bens a partir desta quinta-feira e até nova ordem.

continua após publicidade

Em declarações à TV pública, o presidente do Conselho Constitucional, Paul Yao N'dré, disse que o órgão deve se pronunciar sobre os pedidos para "dar os resultados definitivos do segundo turno" nas "próximas horas".

continua após publicidade

ONU pede respeito ao processo eleitoral

Em Nova York, o Conselho de Segurança (CS) da ONU ameaçou "tomar as medidas apropriadas" contra aqueles que travarem o processo eleitoral na Costa do Marfim, disse Susan Rice, embaixadora dos Estados Unidos perante a ONU e presidente em exercício do CS.

- Os membros do Conselho de Segurança reafirmaram a vontade de tomar medidas apropriadas contra aqueles que obstaculizam o processo eleitoral e, em particular, contra o trabalho da Comissão Eleitoral Independente (CEI).

O CS impôs em novembro um embargo de armas e diamantes à Costa do Marfim, com a possibilidade de deixá-los sem efeito, caso as eleições se desenvolvessem bem.