Geral

China resgata com vida mineiros presos por mais de 30 horas

Da Redação ·
 Sete bombeiros estavam entre as 29 pessoas retiradas do fundo da mina; inundação deixou operários presos
fonte: Color China Photo/22.11.2010/AP
Sete bombeiros estavam entre as 29 pessoas retiradas do fundo da mina; inundação deixou operários presos

Equipes de resgate que trabalharam por mais de 24 horas em uma mina de carvão na Província de Sichuan, no sudoeste da China, conseguiram resgatar com vida nesta segunda-feira (22) todos os 29 operários e bombeiros que ficaram presos após uma inundação neste domingo (21).

continua após publicidade

Familiares e populares acompanharam de perto o trabalho. Cada um dos trabalhadores trazidos à superfície era recebido com festa pela multidão.

continua após publicidade

Segundo as autoridades locais, a conclusão dos trabalhos de retirada dos mineiros aconteceu por volta das 4h desta segunda-feira (horário de Brasília). O nível da água, que caiu 73 cm em 24 horas, facilitou a operação.

continua após publicidade

Quatro tendas de emergência foram erguidas nos arredores da mina. As instalações tinham médicos, enfermeiras, macas e mantimentos para o tratamento imediato dos trabalhadores, que ficaram presos por mais de 30 horas.

A inundação aconteceu neste domingo, quando 35 operários estavam trabalhando na mina de carvão Batian, na cidade de Neijiang. Treze deles conseguiram sair a tempo, enquanto os outros 22 acabaram presos. Após o acidente, sete bombeiros, levados por um comandante da mina, desceram para ajudar no resgate, mas também ficaram retidos.

continua após publicidade

As primeiras informações davam conta de que 28 pessoas estavam presas, mas a cifra foi corrigida para 29 pouco tempo depois.

continua após publicidade

As minas de carvão da China são as mais perigosas do mundo, com um saldo de 2.631 mortos em 2009. Em abril, o governo chinês lançou uma campanha de inspeções de segurança nas minas do país, para tentar evitar que acidentes graves voltem a ocorrer.

O carvão ainda representa 70% do consumo energético do país, o que leva os mineradores a perfurarem minas cada vez mais profundas, elevando o risco de acidentes.