Geral

Professora presa em Realengo admite sexo com aluna

Da Redação ·
 Professora suspeita chega para prestar depoimento na delegacia de Realengo; uma das mães comunicou desaparecimento à polícia
fonte: André Muzell / R7
Professora suspeita chega para prestar depoimento na delegacia de Realengo; uma das mães comunicou desaparecimento à polícia

A professora de 33 anos que foi presa na madrugada desta quarta-feira (27) em Realengo, zona oeste do Rio de janeiro, confessou em depoimento à polícia nesta manhã que manteve relações sexuais com uma aluna de 13 anos. Com matrículas nas redes municipal e estadual de ensino, ela também é suspeita de abusar de outra adolescente, desde agosto. Juntas, as três mantinham encontros em motéis da zona oeste carioca.

continua após publicidade

A polícia chegou até a professora após a mãe de uma das meninas procurar a Delegacia de Realengo (33ª DP), na tarde de terça-feira (26), para denunciar o desaparecimento da adolescente desde segunda-feira (25). Os agentes verificaram que já havia um registro de desaparecimento da vítima em agosto, mas que foi arquivado porque a menina apareceu, como contou o delegado Ângelo Lages.

continua após publicidade

- Iniciamos as diligências e fomos até a casa da professora, a principal suspeita. O marido dela informou que ela também não aparecia em casa desde então. Os policiais fizeram buscas na região por 11 horas até localizar a professora na casa da mãe dela, na localidade Barata, em Realengo, na zona oeste, por volta das 4h. Ela havia deixado a menina perto dali, sozinha. Encontramos a adolescente meio perdida, andando pela rua.

continua após publicidade

A professora admitiu que mantinha relações com a jovem desde maio e que, desde então, as duas passeavam de carro pela cidade e se encontravam em motéis. Elas chegavam a parar em praças e ficavam namorando dentro do carro, de acordo com o depoimento da presa.

Segundo o delegado, a professora foi autuada em flagrante pelos crimes de estupro de vulnerável e corrupção de vulnerável e pode pegar de 15 a 30 anos de prisão.