Geral

Epidemia de cólera mata mais de 250 pessoas no Haiti

Da Redação ·
 Pacientes com cólera aguardam atendimento em hospital de St. Marc, ao norte de Porto Príncipe, capital do Haiti
fonte: Thony Belizaire/24.10.2010/AFP
Pacientes com cólera aguardam atendimento em hospital de St. Marc, ao norte de Porto Príncipe, capital do Haiti

O número de mortos por causa da epidemia de cólera que atinge o Haiti passa de 250, disseram autoridades de saúde neste domingo (24).

continua após publicidade

Apesar do dado preocupante, médicos dizem que o surto pode estar se estabilizando, com menos mortes e novos casos reportados ao longo das últimas 24 horas.

continua após publicidade

Gabriel Thimote, diretor-geral do Departamento de Saúde do Haiti, disse em entrevista coletiva em Porto Príncipe que o acumulado de mortes desde que o surto começou está em 253, enquanto os casos totalizam 3.015.

continua após publicidade

Epidemia chegou à capital

Neste fim de semana, a epidemia mortal, que estava restrita ao norte e ao centro do Haiti, chegou a Porto Príncipe, a densamente povoada capital do país, informou a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas).

continua após publicidade

Um laboratório do ministério da Saúde confirmou casos da doença no departamento Ouest, que inclui Porto Príncipe. De acordo com a rede americana CNN, cinco pacientes foram diagnosticados com a doença na capital.

continua após publicidade

A coordenadora dos serviços de ajuda humanitária da ONU (Organização das Nações Unidas) no Haiti, Imogen Wall, disse que a detecção de casos de cólera em Porto Príncipe é "preocupante".

continua após publicidade

- Nosso sistema de resposta [à epidemia] tem funcionado, mas obviamente essa é uma constatação séria.

Segundo Imogen, os cinco pacientes identificados em Porto Príncipe foram contaminados em outro local, possivelmente na cidade de Artibonite, ao norte da capital. Eles foram isolados e recebem tratamento.

continua após publicidade

Condições precárias favorecem doença

O governo haitiano e os oficiais da ONU tentam a qualquer custo evitar que o surto de cólera chegue à capital, onde milhares de pessoas ainda vivem em condições precárias, após o terremoto que devastou o país no dia 12 de janeiro, deixando até 300 mil mortos.

O cólera é uma doença bacteriana grave transmitida por meio da água e de alimentos contaminados. Provoca diarreia e forte desidratação, e pode matar em questão de horas se não for tratado.

A falta de saneamento básico e a dificuldade em se obter água tratada favorecem a disseminação da doença. A atual epidemia é considerada o incidente sanitário mais grave desde o tremor de sete graus na escala Richter que destruiu a capital e seus arredores.