Geral

Começa audiência do caso Eliza em Belo Horizonte

Da Redação ·
 Bruno passou mal em três dias de audiência em Contagem
fonte: Eugênio Moraes/Jornal Hoje em Dia
Bruno passou mal em três dias de audiência em Contagem

Começou, por volta das 13h30 desta quarta-feira (19), mais uma etapa da audiência do caso do desaparecimento de Eliza Samudio, que tem como um dos acusados o goleiro Bruno Fernandes. O titular da Vara de Precatórias Criminais de BH, Marco Aurélio Ferenzini, deve ouvir 21 testemunhas arroladas pela defesa, no Fórum Lafayette, de acordo com o TJ-MG (Tribunal de Justiça de Minas Gerais).

continua após publicidade

O TJ ressaltou que a audiência presidida pela juíza Marixa Fabiane Lopes foi interrompida por causa de suas férias, mas as testemunhas podem continuar os depoimentos por carta precatória, ou seja, eles poderão ser ouvidos na comarca onde residem.

continua após publicidade

O TJ-MG informou que oito acusados devem estar presentes na audiência: Luiz Henrique Romão, o Macarrão; Marcos Aparecido dos Santos, o Bola; Dayanne de Souza; Elenílson Vítor da Silva; Flávio Caetano de Araújo; Wemerson Marques, o Coxinha; Fernanda Gomes e o goleiro Bruno. A única ausência é de Sérgio Rosa Sales, primo de Bruno.

continua após publicidade

O delegado Wagner Pinto, um dos que investigaram o caso, deve ser uma das testemunhas ouvidas. Os depoimentos serão encaminhados para Contagem, onde o crime está sendo julgado e cujas audiências foram suspensas dia 15 deste mês, para serem retomadas no dia 8 de novembro.

Antes da suspensão, foram ouvidas duas testemunhas de acusação, José Carlos do Nascimento, porteiro do condomínio onde fica o sítio de Bruno, em Esmeraldas, e a camareira Elizabeth Soares de Oliveira, que trabalha no motel onde Bruno e Eliza teriam ficado antes dela desaparecer.

continua após publicidade

Eliza desapareceu dia 4 de junho, quando foi do Rio de Janeiro para Minas Gerais a convite de Bruno. Ela havia procurado a polícia carioca pedindo proteção por estar grávida do goleiro, dizendo ter sido agredida. Após o nascimento da criança, a modelo acionou a Justiça para pedir o reconhecimento da paternidade.

continua após publicidade

No dia 24 de junho, a Polícia Civil recebeu denúncias anônimas apontando que Eliza havia sido espancada até a morte por Bruno e dois amigos dele no sítio de propriedade do jogador.

Depois de denúncias do tio de um menor, no Rio, que teria presenciado o assassinato da modelo, a polícia indiciou os suspeitos por sequestro e morte, sendo que Bruno responderá como mandante e executor do crime.

O Ministério Público acatou o indiciamento da polícia e ofereceu denúncia, aceita pela Justiça. O adolescente, de 17 anos, foi condenado no dia 9 de agosto pela participação no crime e cumprirá medida socioeducativa de internação por prazo indeterminado.