Geral

Greve geral para a Espanha e dezenas de pessoas são presas

Da Redação ·
 Carro policial pega fogo em Barcelona após ter sido incendiado por manifestantes durante a greve geral espanhola
fonte: Josep Lago/29.09.2010/AFP
Carro policial pega fogo em Barcelona após ter sido incendiado por manifestantes durante a greve geral espanhola

A Espanha sente nesta quarta-feira (29) os efeitos da primeira greve geral contra o governo de José Luis Rodríguez Zapatero, convocada pelas duas grandes centrais sindicais do país, UGT e CCOO, para protestar contra a reforma trabalhista. A paralisação provocou dificuldades principalmente no sistema de transporte e houve conflitos entre manifestantes e policias em diversas regiões.

continua após publicidade
continua após publicidade

Ao todo, 78 pessoas foram presas em incidentes na capital Madri e nas regiões da Catalunha, da Andaluzia, em Valência e Alicante.

continua após publicidade

A greve geral coincide com uma jornada de luta na Europa, marcada por uma grande manifestação em Bruxelas e concentrações em Portugal, Itália e Polônia contra as medidas de austeridade para enfrentar a crise.

continua após publicidade

No meio da manhã, a paralisação tinha adesão de 71,70%, segundo o secretário da União Geral dos Trabalhadores (UGT), José Javier Cubillo. De acordo com o jornal espanhol El Pais, esse índice é calculado sobre uma base de 10 milhões de trabalhadores.

continua após publicidade

Antonio del Campo, secretário das Comissões Operárias (CCOO) comemorou uma ampla adesão à greve.

continua após publicidade

- A paralisação é praticamente total desde a noite de terça-feira nos setores de indústria e serviços, siderurgia, infraestrutura, coleta de lixo e serviços de limpeza urbana. O consumo de energia registrou queda como a do nível de um feriado, o que confirma o êxito da greve geral.

continua após publicidade

O governo afirmou que nas primeiras horas da greve os serviços mínimos foram respeitados e não foram registrados incidentes consideráveis.

continua após publicidade

Em toda região catalã, cuja capital é Barcelona, foram detidas 23 pessoas, segundo as autoridades. O governo da comunidade de Madri informou a detenção de 38 pessoas, de acordo com o jornal El País.

continua após publicidade

Em Madri, circulava um trem a cada hora, segundo o ministério do Trabalho.

continua após publicidade
continua após publicidade

Canais de TV interrompem transmissão

continua após publicidade

As ações dos piquetes concentraram-se na entrada dos mercados de abastecimento de Madri e Barcelona e houve apenas alguns incidentes pontuais.

continua após publicidade

Ao todo, 15 pessoas ficaram feridas em confrontos em diversos pontos do país.

continua após publicidade

Alguns canais de TV regionais como Telemadrid e Canal Sur interromperam suas transmissões durante a noite.

continua após publicidade

Em Barcelona, o centro da cidade parecia um domingo: as lojas fecharam as portas.

continua após publicidade

Zapatero declarou nesta quarta-feira, ante o Congresso dos Deputados, que "o governo trabalha para garantir o direito à greve e o direito ao trabalho".

Recordou ainda aos sindicatos a "obrigação de contribuir para o diálogo" sobre a reforma trabalhista.

Plano de austeridade foi o estopim do movimento

O governo aprovou recentemente um plano de austeridade para reduzir o déficit público (saldo negativo nas contas governamentais), com a redução dos salários dos servidores e o congelamento das pensões de aposentadoria. E prepara ainda um orçamento com cortes para 2011.

Os protestos começaram à tarde, com manifestações em Madri e dezenas de outras cidades.

Grupos de jovens queimaram um carro da Guarda Urbana e confrontaram a polícia de Barcelona, que desalojou manifestantes de uma agência bancária ocupada há 48 horas.

Somente em Barcelona, 400 mil pessoas foram às ruas para protestar, informou o El País.

Copyright AFP - Todos os direitos de reprodução e representação reservados