Reino Unido acusa Rússia de envenenar ex-espião e expulsa diplomatas - TNOnline
Mais lidas
Ver todos

Geral

Reino Unido acusa Rússia de envenenar ex-espião e expulsa diplomatas

Escrito por FolhaPress
Publicado em Editado em
Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, .

IGOR GIELOW, ENVIADO ESPECIAL

MOSCOU, REINO UNIDO (FOLHAPRESS) - O Reino Unido acusou formalmente a Rússia nesta quarta (14) de envenenar o ex-espião Serguei Skripal e sua filha, Iulia, em solo britânico.

Segundo a primeira-ministra, Theresa May, o "uso ilegal de força do Estado russo contra o Reino Unido" será respondido com a expulsão de 23 diplomatas acusados de espionagem e com o congelamento de contatos diplomáticos de alto nível.

May afirmou que só havia duas hipóteses plausíveis para o ataque com o agente neurotóxico Novitchok do último dia 4. Ou o Kremlin ordenara o envenenamento, ou perdera controle sobre uma perigosa arma química.

"Nenhuma explicação sobre como esse agente foi usado no Reino Unido foi dada. Em vez disso, eles trataram o uso de um agente neurotóxico com sarcasmo, desdém e desafio", disse ela.

Para May, "não há outra conclusão além da culpa do Estado russo pela tentativa de assassinato do senhor Skripal e de sua filha, e pela ameaça às vidas de outros cidadãos britânicos".

O Ministério das Relações Exteriores russo disse que a medida é "inaceitável". É de se esperar a expulsão de um número correspondente de diplomatas britânicos na Rússia, como é praxe.

Para May, a saída dos 23 supostos espiões, que deverá ocorrer em uma semana, afetará as capacidades de ação de Moscou. Hoje, há 58 diplomatas russos em Londres.

Trata-se da mais grave crise diplomática entre Moscou e o Ocidente desde que o governo de Vladimir Putin reabsorveu a Crimeia da Ucrânia em 2014, levando a uma série de sanções ocidentais.

Ela não deve, contudo, ser superestimada: May disse que estudará, mas não anunciou nenhuma sanção a altos oficiais russos, como o vice-primeiro-ministro Igor Shuvalov, que tem propriedades em Londres --como a maioria da elite em seu país.

Retaliação econômica também não foi citada, e isso reflete o fato de que há muito investimento russo no Reino Unido, e vice-versa: a petroleira britânica BP, por exemplo, tem 19,75% da Petrobras da Rússia, a Rosneft.

Haverá algum impacto nas atividades diplomáticas com a expulsão, a maior do tipo em 30 anos, e o congelamento das relações é inédito.

Fica o desconforto simbólico. May retirou um convite para que o chanceler Serguei Lavrov visitasse o país e informou que políticos e membros da família real britânica não irão à Copa do Mundo na Rússia. Não se confirmou, contudo, o aventado boicote da seleção nacional.

Em resposta à crítica de Lavrov sobre a falta de acesso ao Novitchok, agente criado na antiga União Soviética e teoricamente destruído no pós-Guerra Fria, a primeira-ministra disse que submeteria o material à Organização pela Proibição de Armas Químicas.

May também anunciou que serão reforçados os controles sobre russos visitando o Reino Unido. E frisou que as medidas foram discutidas com os presidentes Donald Trump (EUA) e Emmanuel Macro (França), além da chanceler Angela Merkel (Alemanha).

Em reunião extraordinária do Conselho de Segurança da ONU, onde Londres e Moscou têm poder de veto, o embaixador da Rússia negou qualquer envolvimento do país no caso e disse que se tratava de uma armação para manchar a imagem do Kremlin.

PUTIN

Ao fim, a medida reforça o discurso putinista de que está defendendo os interesses da Rússia, às vésperas da eleição que irá ganhar no domingo. "Essa é a arena dele", observou Alexei Levinson, diretor no Centro Levada, o mais respeitado instituto de pesquisa de opinião do país.

Não é todo dia que uma potência acusa autoridades russas de usarem armas químicas em seu território. Mas Putin não parece ligar. Tem sob sua aba a resiliência da economia russa. Nos últimos anos, o sistema bancário sob isolamento do país se robusteceu, e o aumento do gasto militar entregou resultados na Síria e na Ucrânia.

Em resumo, não parece haver muito que possa incomodar a Rússia. A questão remanescente é saber quem tentou matar Skripal e Iulia.

Poderia haver um interesse do Kremlin na morte do agente duplo, mas o preço diplomático parece alto demais quando a eleição está ganha. É questionável se Skripal, com seis anos de cadeia na ficha e soltura por ocasião de uma troca de agentes com Londres em 2010, teria algum segredo a mais.

A teoria segunda a qual a ordem veio do Kremlin para lembrar a todos de sua capacidade parece pueril, o que leva a duas outras hipóteses.

Primeiro, a de que Skripal foi atacado pelo próprio serviço secreto britânico, com o contestado governo de May buscando relevo político. A conjectura é tão frágil quanto acusar o Kremlin.

Segunda opção: a ação tem a ver com alguma dívida do passado de Skripal, seja com russos, seja com agentes de outro país. Ao fim, as teorias da conspiração servirão ao gosto de cada cliente.

Gostou desta matéria? Compartilhe!

Deixe seu comentário sobre: "Reino Unido acusa Rússia de envenenar ex-espião e expulsa diplomatas"

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Candidatos

Não encontramos candidatos com o filtro selecionado.