Mais lidas
Ver todos

    Geral

    Fábio Porchat apresenta Prêmio do Humor e diz que fazer público rir é barra pesada

    Escrito por FolhaPress
    Publicado em Editado em
    Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, .

    CRIS VERONEZ

    RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Fábio Porchat apresentou, na noite desta terça (13), o Prêmio do Humor, única premiação de teatro em que somente espetáculos de comédia concorrem. O projeto foi idealizado e bancado pelo próprio humorista. A cerimônia aconteceu no Jockey Club Brasileiro, na zona sul do Rio.

    O time de jurados, formado por Antonio Tabet, Aloisio de Abreu, Bemvindo Sequeira, Sura Berditchevsky e Rafael Teixeira julgou cinco categorias: melhor texto, melhor performance (ambos vencidos por Jefferson Schroeder, com espetáculo "A Produtora e a Gaivota"), melhor direção (Chico Pelúcio, pelo espetáculo  "Pagliacci"), melhor espetáculo e categoria especial (ambos vencidos pela peça "[nome do espetáculo]").

    O humorista Agildo Ribeiro, que estrelou diversos programas de humor da Rede Globo ao lado de Jô Soares, Paulo Silvino e Chacrinha, foi o homenageado da noite.

    Em entrevista à reportagem, Porchat disse que o prêmio se fortaleceu desde 2017, quando ocorreu sua primeira edição. 

    "No ano passado eu recebi um apoio muito legal dos amigos, mas esse ano eu senti a classe tomando as rédeas da situação. [...] Parece que a classe da comédia vestiu a camisa do prêmio e isso é muito gratificante."

    Segundo o humorista, a comédia é bastante valorizada pelo público, mas a crítica e os prêmios costumam deixar o gênero de lado. Ele cita nomes como Chico Anysio e Renato Aragão para exemplificar, dizendo que os atores nunca ganharam um prêmio.

    Porchat também relembrou a polêmica do Globo de Ouro de 2016, que elegeu o filme "Perdidos em Marte", dirigido por Ridley Scott, como melhor comédia.

    "P***, isso é um filme de terror. Comédia é colocada num canto, sabe. Eu sei que é difícil comparar mesmo, mas é por isso que temos que valorizar. Você pensa: pô, mas é difícil fazer uma peça séria, fazer a pessoa chorar, se emocionar... Tá bom, então sobe no palco e fica lá uma hora e meia fazendo a pessoa rir. É barra pesada."

    Marcos Veras fez coro ao colega e disse que já está acostumado com a falta de reconhecimento para o gênero. Apesar disso, o ator ressalta que o cenário está melhorando.

    "É muito difícil fazer comédia e isso é reconhecido inclusive por atores que fazem drama. Acho também que falta um reconhecimento do popular. A gente tem mania de achar que o popular é ruim e usamos essa palavra de uma forma pejorativa. Mas ser popular significa que está agradando a maioria. Acho que estamos repensando isso aos poucos. Já melhorou."

    IGUALDADE

    Um detalhe sobre as categorias do Prêmio do Humor chamou a atenção: não houve melhor atriz e nem melhor ator, mas sim a melhor performance.

    "Acho muito doida essa diferenciação de melhor atriz e melhor ator. Parece que a atriz faz uma coisa que o ator não faz, e vice-versa. Então resolvi juntar tudo", disse Porchat. Segundo ele, a criação de uma categoria unissex também ajuda a enfraquecer o falso discurso de que mulheres não sabem fazer comédia.

    OPA... A participação de Ney Latorraca, que entregou o prêmio de melhor espetáculo à equipe de "[nome do espetáculo]", foi um dos pontos altos da cerimônia. Ele contou um causo que arrancou gargalhadas do público.

    "Sou muito vaidoso e adoro aparecer. Tenho o ego que é uma loucura. Uma vez, quando peguei um táxi, o motorista falou: 'gosto muito do seu trabalho, gosto de você e tal'. Já comecei a me transformar, né. Aí, quando eu fui pagar, ouvi ele dizendo: adeus, senhor Agildo Ribeiro."

    E continuou: "A corrida deu R$15,02 e eu ia dar vinte reais. Pois dei os R$ 15,02." 

    NA TRAVE

    A peça "Minha Vida em Marte", estrelada por Mônica Martelli, foi indicada para quatro das cinco categorias premiadas, mas não ganhou nenhum troféu.  

    Gostou desta matéria? Compartilhe!
    TNTV
    TNTV

    Jornal da Tribuna 2ª Edição - Destaque: Pré Candidato a vereador em Apucarana desmente boato sobre prisão

    Deixe seu comentário sobre: "Fábio Porchat apresenta Prêmio do Humor e diz que fazer público rir é barra pesada"

    O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.