Geral

Fidel pede votos a partido de Hugo Chávez

Da Redação ·
 O ex-presidente cubano Fidel Castro, que decidiu pedir apoio ao colega venezuelano Hugo Chávez
fonte: googleimagens.com
O ex-presidente cubano Fidel Castro, que decidiu pedir apoio ao colega venezuelano Hugo Chávez

 ex-presidente cubano Fidel Castro afirmou neste sábado (25) que "se fosse venezuelano" lutaria "contra os raios e faíscas" para dar uma "grande vitória" ao presidente da Venezuela, Hugo Chávez, nas eleições legislativas deste domingo.

continua após publicidade

- Enfrentaria as chuvas e não permitiria que o império tirasse proveito algum. Lutaria junto aos vizinhos e familiares para proteger as pessoas e os bens, mas não deixaria de ir votar.

continua após publicidade

As eleições deste domingo, que renovarão a Assembleia Nacional (Congresso), ocorrerão sob um forte alerta em vista das chuvas que atingem a Venezuela há horas e podem influenciar no índice de abstenção. Até o momento, sete pessoas morreram e pelo menos 500 estão desabrigadas.

continua após publicidade

Fidel fez ainda uma advertência contra o "império", como se refere aos Estados Unidos, que quer "tirar a força da Revolução, limitar sua capacidade de luta, privá-la dos dois terços da Assembleia Nacional”, em referência à necessidade dos governistas de manter a maioria no Congresso.

Ele denunciou também para a "vil campanha midiática" e a permanência das bases militares que rodeiam a Venezuela.

continua após publicidade

- Não renunciaria jamais à oportunidade que a Revolução [Boliviariana] oferece de se confirmar e vencer os obstáculos.

continua após publicidade

Votação deve mobilizar mais de 17,5 milhões eleitores

continua após publicidade

Amanhã, mais de 17,5 milhões de venezuelanos são esperados em 87 circuitos eleitorais que estarão abertos das 6h às 18h locais (7h30 às 19h30 no horário de Brasília).

Estarão presentes 150 observadores internacionais e 60 convidados estrangeiros, além da segurança com 250 mil efetivos.

Para analistas, as votações marcarão um ponto crucial entre o avanço ou o freio dos planos socialistas de Chávez, já que desde 2005 a Assembleia Nacional é dominada por governistas, visto que os opositores boicotaram o processo daquele ano e ficaram sem representantes na casa.