Mais lidas
Ver todos

    Geral

    Bachelet manda a Congresso chileno proposta de convocação de Constituinte

    Escrito por FolhaPress
    Publicado em Editado em
    Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, .

    SYLVIA COLOMBO

    BUENOS AIRES, ARGENTINA (FOLHAPRESS) - "Governaremos até o último dia." Assim se justificou a presidente do Chile, Michelle Bachelet, ao enviar ao Congresso, nesta terça-feira (6), cinco dias antes de deixar o poder, o projeto de lei que pede a convocação de uma nova Assembleia Constituinte.

    A redação de uma nova Carta para o país -a atual remonta a 1980, ou seja, é da época da ditadura do general Pinochet- era uma das principais promessas de campanha de Bachelet para este seu segundo mandato.

    Ao longo desse período, porém, a presidente enfrentou muita resistência parlamentar ao tentar dar seguimento à proposta e foi interrompida por obstáculos de gestão e por acusações de corrupção envolvendo membros de sua família.

    Porém, Bachelet considera que, mesmo entregando o projeto a poucos dias de transmitir o cargo ao centro-direitista Sebastián Piñera -que é contra a redação de uma nova Carta-, o gesto significará mais do que algo simbólico.

    A presidente aposta no fato de que Piñera não terá maioria no Congresso (justamente a instância que levará adiante o debate) e no de que, nos últimos tempos, tem havido mais apoio da sociedade para a mudança de alguns aspectos da Constituição.

    Prova disso foi a repercussão positiva de reformas impulsadas pela presidente e aprovadas pelo Congresso, ainda que a conta-gotas.

    Entre elas, a Lei do Aborto, permitindo a interrupção da gravidez em três casos (estupro, inviabilidade fetal e risco de vida à mãe), e a ampliação da gratuidade universitária a 60% dos estudantes mais pobres. Antes, todo o ensino superior era pago, o que motivou numerosos protestos de estudantes em 2011.

    Em um pronunciamento em cadeia nacional, na segunda-feira, Bachelet diz que espera que o novo texto seja levado a plebiscito e explicou que suas linhas gerais foram estabelecidas em debate com grupos da sociedade.

    "Contribuíram para o projeto mais de 200 mil pessoas", afirmou, enfatizando esse numeral para pedir respeito ao documento.

    Entre os principais pontos da proposta estão aqueles que dizem respeito à ampliação de direitos civis e do acesso gratuito a educação e saúde, assim como uma reforma no sistema de aposentadorias -muitos desses itens haviam sido privatizados nos anos Pinochet (1973-1990).

    A nova Carta também faria um reconhecimento dos povos originários -não contemplado na legislação atual e que vem gerando intensos conflitos no sul do país. Esse reconhecimento abriria a possibilidade do ensino dos idiomas originários nas regiões habitadas pelos indígenas, assim como impulsionaria a discussão sobre projetos de demarcação de terras e de implementação de um sistema de cotas para a participação daqueles no Congresso.

    O projeto de lei também propõe um sistema mais independente para a relação do Executivo com o Judiciário, dando mais autonomia à Corte Suprema.

    Gostou desta matéria? Compartilhe!
    TNTV
    TNTV

    A luta das mulheres por direitos no Brasil, com Aline Rocha e Gabriela Sacchelli

    Deixe seu comentário sobre: "Bachelet manda a Congresso chileno proposta de convocação de Constituinte"

    O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.