Geral

Fogo atingiu 320 barracos na favela Real Parque em SP

Da Redação ·
 Incêndio atingiu grande área de favela na Zona Sul de SP
fonte: Globo
Incêndio atingiu grande área de favela na Zona Sul de SP

A Prefeitura de São Paulo disse na tarde desta sexta-feira (24) que o incêndio na favela Real Parque atingiu, segundo informações iniciais, cerca de 320 barracos. Assistentes sociais estão na área para realizar o cadastramento dos moradores, o que irá confirmar o número de atingidos. Dez pessoas tiveram ferimentos leves e receberam atendimento no local. Segundo os bombeiros, além desses feridos, um rapaz caiu do telhado e foi levado para um pronto-socorro pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), em estado estável.
 

continua após publicidade

O fogo começou por volta das 10h15 na favela da Zona Sul de São Paulo e os bombeiros ainda combatiam as chamas às 13h. Segundo a Prefeitura, um cadastramento realizado há dois anos mostrou que 1.300 famílias vivem na favela, que é divida em quatro setores. Dois deles foram atingidos pelas chamas, um completamente e o outro, parcialmente. A Prefeitura mandou 16 caminhões-pipa para abastecer os bombeiros.
 

Com o incêndio, a pista expressa da Marginal Pinheiros, sentido da Rodovia Castello Branco, tinha 1,9 km de filas, entre as ruas Rubens Gomes de Bueno e a Américo Brasiliense, por volta das 12h50 desta sexta-feira (24).
 

continua após publicidade

Moradores que vivem na favela Real Parque contaram que pelo menos dois barracos haviam pegado fogo no fim desta madrugada. Ainda de acordo com eles, o fogo foi apagado rapidamente pelos próprios moradores. “O fogo começou logo cedo, do lado de trás da favela, perto de um lixão, mas logo foi apagado. Achei que não era nada e fui trabalhar. Depois me ligaram às 10h dizendo que tinha fogo de novo. Só consegui entrar para pegar a bolsa e os documentos. Perdi todo o restante do que tinha em casa. Em sete anos que moro aqui, nunca tinha visto um negócio desses”, disse a moradora Lúcia da Silva.
 

Amanda Alves Nascimento, também moradora do local, de 59 anos, também perdeu tudo.
“Sai hoje de manhã pra trabalhar, em um restaurante perto. Nunca saio de casa com os documentos, mas bem hoje eu sai com o titulo de eleitor e o RG. Fiquei só com isso e com a roupa do corpo. Não sobrou nada. Quando cheguei estava pegando fogo no telhado da minha casa. Tentei entrar, mas os bombeiros me arrastaram”, afirmou.
 

“Teve um início de fogo na madrugada, mas foi controlado. Fui trabalhar e minha família me ligou falando sobre o incêndio. Só deu tempo de salvar minha cachorra. Minha filha conseguiu entrar em casa, mas logo a mandaram sair. Não consegui tirar nada”, contou Maria Batista de Souza Neves, 42 anos, moradora da favela.
 

Os bombeiros estão tentando conter os moradores da favela, que tentam entrar nos barracos para pegar seus pertences.


O morador e integrante do conselho gestor de urbanização da comunidade, Washington Bezerra, diz que há um ano começou a negociação de um processo de reurbanização para retirar os moradores da favela e levá-los para o programa de bolsa-aluguel. Segundo ele, por enquanto isso ainda não foi aprovado. Bezerra contou o incêndio atingiu o “alojamento”, um local construído para abrigar os moradores provisoriamente durante a construção de um conjunto habitacional na região.