Geral

Justiça do Rio ouve Bruno e Macarrão

Da Redação ·
 O goleiro Bruno responde a processo de sequestro no Rio
fonte: Agência O Dia/AE
O goleiro Bruno responde a processo de sequestro no Rio

O goleiro Bruno Fernandes e seu amigo, Luiz Henrique Ferreira Romão, o Macarrão, deverão ser interrogados nesta sexta-feira (17), em audiência de instrução e julgamento na 1ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça, em Jacarepaguá, na zona oeste do Rio de Janeiro. Eles respondem a um processo que corre no Estado em que são acusados de sequestro e lesão corporal – supostos fatos ocorridos em outubro de 2009 - contra a ex-amante do jogador, Eliza Samudio.

continua após publicidade

Na audiência, marcada para começar às 13h, serão ouvidas sete testemunhas de defesa. Os advogados de Bruno chamaram a presidente do Flamengo, Patrícia Amorim, o atual diretor-executivo de futebol do clube, Zico, o goleiro Paulo Victor e o zagueiro Tite, do Vasco. Pela defesa de Macarrão, foram convocados o lateral-direito Leonardo Moura, o lateral-esquerdo Rodrigo Alvim e o zagueiro Álvaro.

continua após publicidade

O Tribunal de Justiça informou que Bruno e Macarrão só não serão interrogados caso os depoimentos das testemunhas se alonguem demais ou se alguma delas não comparecer, e os advogados da defesa exigirem a presença das mesmas.

continua após publicidade

A defesa de Bruno também convocou para depor os atacantes Adriano e Vágner Love e a própria Eliza Samudio, que está desparecida desde junho desde ano, mas a Justiça não aceitou o pedido. Bruno e Macarrão também respondem pelo suposto assassinato da jovem.

Na audiência, será exibido um vídeo em que Eliza Samudio concede uma entrevista ao jornal Extra, na época em que relata o que teria acontecido com ela na noite do suposto sequestro.

continua após publicidade

Além do caso do Rio, Bruno, Macarrão e outras sete pessoas também respondem a outro processo em Contagem (MG) pelo suposto assassinato de Eliza Samudio. Todos foram denunciados por homicídio triplamente qualificado, sequestro e cárcere privado na forma qualificada, ocultação de cadáver e corrupção de menor.

continua após publicidade

Testemunhas de acusação foram ouvidas na primeira audiência

Na primeira audiência do processo que corre no Rio de Janeiro, foram ouvidas quatro testemunhas de acusação. Foram elas a amiga de Eliza, Milena Baroni, a delegada Maria Aparecida Mallet - que ouviu a jovem na delegacia da Mulher em Jacarepaguá na época do sequestro -, além de Mateus Dantas e Mauro José de Oliveira, porteiros do condomínio no Recreio dos Bandeirantes, na zona oeste, onde Bruno morava.

Em seu depoimento, a delegada afirmou que Eliza lhe relatou que, na madrugada do dia 13 de outubro do ano passado, Bruno foi até a casa de Milena, onde Samudio morava, na companhia de Macarrão e outros dois homens armados. A jovem, que na época estava grávida de cinco meses, passou a ser ameaçada por eles e obrigada a entrar em um carro, segundo o relato, e foi levada para o condomínio do goleiro e forçada a ingerir comprimidos e tomar um líquido, que seria abortivo. Horas depois, Eliza teria dito que concordava em fazer o aborto, mas foi à delegacia fazer queixa das ameaças.