Geral

Paquistaneses apontam falta de comida após enchentes

Da Redação ·

Milhares de pessoas voltaram nesta segunda-feira a suas casas na cidade histórica de Thatta, no sul do Paquistão, onde novos diques construídos com barro e pedras contêm as águas que inundaram boa parte do país. As pessoas que fugiram de comunidades vizinhas se queixavam da escassez de comida e água, enquanto acampavam em um grande templo muçulmano, em uma colina próxima de Thatta.

continua após publicidade

Centenas de pessoas corriam atrás dos veículos que distribuem alimentos, nas imediações de um cemitério próximo. A manobra caótica das autoridades deixou sem comida muitas das vítimas das enchentes, sobretudo os doentes e idosos. Alguns bebiam água da chuva em charcos para matar a sede.

continua após publicidade

"Não posso correr atrás de comida, nem sobreviver nesse estado na minha idade", reclamou Nasima Mai, de 75 anos, que deixou sua comunidade ao lado de sua numerosa família, a maioria formada por mulheres e crianças. "Jogam a comida de caminhões como se estivessem alimentando animais."

continua após publicidade

As autoridades afirmaram que tentavam enviar alimentos e abrigo para centenas de milhares de pessoas que acampam em uma coluna de Makli. Mas, como em outros lugares do país, a magnitude do desastre reduziu a capacidade de resposta dos governos locais e dos doadores internacionais.

As inundações começaram há quase um mês, no noroeste do país, por causa das chuvas de monções. O problema cresceu com a cheia do rio Indo. Várias comunidades e zonas agrícolas foram devastadas e pelo menos 1.600 pessoas morreram. Dezessete milhões foram prejudicadas pelas chuvas.