Geral

36% das jovens com peso certo se acham gordas

Da Redação ·
Foto: arquivo
fonte: Google
Foto: arquivo

Mais de um terço das adolescentes brasileiras se autodenominavam como "muito gordas" mesmo com estado nutricional adequado, de acordo com a Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE) divulgado hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O estudo foi feito com base em entrevistas realizadas em 2009 com 60.973 estudantes adolescentes do 9º ano do Ensino Fundamental nas 26 capitais brasileiras e no Distrito Federal. De acordo com a análise, 35,8% das meninas entrevistadas se declararam muito gordas, embora apresentassem boa saúde. Entre os meninos, 21,5% se classificaram como muito gordos.

continua após publicidade

O resultado da pesquisa mostra que quase 90% dos meninos e meninas que tentaram ganhar peso estavam dentro do estado nutricional adequado. Entre as meninas que tomaram alguma atitude para perder peso, 51,5% apresentavam estado nutricional adequado, ante 29,8% dos meninos na mesma situação. A pesquisa nas escolas confirmou como principal problema nutricional o excesso de peso, categoria que compreende o sobrepeso e a obesidade.

continua após publicidade

A maioria dos estudantes entrevistados (74%) encontrava-se dentro do peso considerado adequado. Adolescentes com déficit de peso responderam por apenas 2,9% da amostra; pessoas com sobrepeso tiveram fatia de 16%, e adolescentes obesos foram 7,2% do total entrevistado. O IBGE informou ainda que o sobrepeso entre adolescentes é mais frequente entre os estudantes de ensino privado.

continua após publicidade

Altura

O levantamento também mostrou que a altura mediana dos brasileiros jovens está praticamente coincidente com a curva padrão recomendada pela Organização Mundial de Saúde (OMS). O declínio do déficit de altura é um dos fatores que servem para medir a redução na desnutrição infantil, e a pesquisa confirma a progressiva redução desse problema. Entre as pesquisas de 1974-1975 a de 2008-2009, a predominância de déficit de altura em ambos os sexos em crianças de 5 a 9 anos recuou de 29,3% para 7,2%.