Geral

China retira mais de 125 mil pessoas de área inundada

Da Redação ·
 Helicóptero de resgate sobrevoa cidade inundada na fronteira entre China e Coreia do Norte, neste sábado (21)
fonte: Reuters/21.08.2010
Helicóptero de resgate sobrevoa cidade inundada na fronteira entre China e Coreia do Norte, neste sábado (21)

Autoridades chinesas retiraram mais de 125 mil pessoas de suas casas na Província de Liaoning, no nordeste da China, por causa da elevação das águas do rio Yalu, que marca a fronteira com a Coreia do Norte. No país vizinho, 5.000 pessoas tiveram que abandonar a área.

continua após publicidade

Neste sábado (21), 64 mil pessoas já haviam sido retiradas da cidade de Dandong, também no nordeste da China, por causa das enchentes. Ao menos quatro pessoas morreram e uma permanece desaparecida.

O Centro Meteorológico Nacional prevê mais chuva para a região de Liaoning nas próximas 24 horas, o que pode piorar a situação dos desabrigados e obrigar a novas retiradas.

continua após publicidade

Equipes da defesa civil também alertam para a possibilidade de deslizamentos de terra, que nos últimos dias mataram mais de mil pessoas em diversas regiões da China.

As chuvas também fecharam estradas e causaram interrupções nas linhas de energia elétrica e telefone, o que dificulta o acesso e a comunicação de equipes de resgate.

A China enfrenta a pior temporada de chuvas dos últimos 12 anos, com mais de 3.400 mortos contabilizados desde maio. Em 1998, inundações de rios locais mataram mais de 4.000 chineses e deixaram milhões de desabrigados.

continua após publicidade

Coreia do Norte usa navios para retirada

Aviões e navios militares norte-coreanos se movimentaram em direção à cidade fronteiriça de Sinuiju – perto de Dandong, na China - para resgatar moradores isolados que, segundo equipes de resgate, estavam "entre a vida e a morte".

As inundações paralisaram o tráfego e causaram "vários danos materiais" em solo norte-coreano. Além disso, obrigaram a população "a se refugiar nos telhados das casas e em colinas", segundo a agência KCNA.