Geral

Disque-Denúncia tem sete ligações sobre falso médico

Da Redação ·

O Disque-Denúncia recebeu sete ligações com informações sobre a localização do estudante de medicina Alex Sandro da Cunha Silva - suspeito de atender irregularmente Joanna Cardoso Marcenal Marins, de cinco anos, morta na última sexta-feira (13) após 26 dias em coma, no Rio de Janeiro.

continua após publicidade

De acordo com a assessoria de imprensa, os telefonemas anônimos foram feitos entre a noite de sexta-feira, quando a Justiça expediu mandado de prisão temporária, e a manhã desta quarta-feira (18). As informações estão sendo repassadas para a Polícia Civil.

continua após publicidade

O falso médico está foragido há cinco dias. Equipes da Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima já estiveram em vários endereços e não o localizaram.

continua após publicidade

O advogado Claudio Tavares Oliveira Juniores diz que não tem contato com o cliente desde que a prisão foi decretada. Ele entrou na terça-feira (17) à tarde com pedido de liberdade no Tribunal de Justiça do Rio. O habeas corpus ainda não foi analisado pelos desembargadores, segundo a assessoria de impresa do fórum.

A médica Sarita Fernandes Pereira, que era chefe da pediatria do hospital RioMar, na Barra da Tijuca, zona oeste, e que teria contratado o estudante como profissional, foi presa na manhã de sábado (14), em casa. Ela foi levada para o presídio Bangu 7. A defesa entrou com pedido de liberdade, que será analisado pelo magistrado a partir desta quarta.

continua após publicidade

A Polícia Civil instaurou dois inquéritos no caso da menina Joanna. Um apura as causas da morte e deve ser concluído até o fim da semana. O outro apura denúncias de maus-tratos e aguarda laudo do Instituto Médico Legal, que sairá em meados de setembro, para ser finalizado.

A menina era motivo de disputa judicial entre os pais há dois anos e o pai tinha a guarda. Como a criança apresentava hematomas e queimaduras pelo corpo, a mãe acusa o pai de agressão. O homem nega e diz que a filha se machucou sozinha durante crises convulsivas. Em depoimento à polícia, o pediatra da vítima disse que ela nunca apresentou problemas neurológicos ou convulsões.