Geral

Bruno recebe visita da filha e da avó

Da Redação ·

O goleiro suspenso do Flamengo Bruno Fernandes, acusado na Justiça pela morte de sua ex-amante Eliza Samudio, recebeu visita de uma das filhas e da avó na penitenciária de segurança máxima Nelson Hungria, em Contagem, região metropolitana de Belo Horizonte, no domingo (15). De acordo com a Seds (Secretaria de Defesa Social), o horário de visita foi das 8h às 17h.

continua após publicidade

A Seds informou que a filha do goleiro tem menos de 12 anos. Ainda no domingo, na Nelson Hungria, Marcos Aparecido dos Santos, também acusado pela Justiça, recebeu visitas da mulher e de um tio. Luiz Henrique Romão, o Macarrão, recebeu visita dos pais. Já Dayanne Souza, ex-mulher de Bruno, que está na penitenciária feminina Estevão Pinto, em Belo Horizonte, recebeu duas irmãs e uma prima.

continua após publicidade

No início de agosto, a juíza Marixa Fabiane Lopes, do Tribunal do Júri do Fórum de Contagem (MG), aceitou a denúncia do Ministério Público contra nove envolvidos na morte de Eliza Samudio. O jogador, Dayanne, Macarrão, Sérgio Rosa Sales, o Camelo, Elenilson Vitor da Silva; Wemerson Souza, o Coxinha, Flávio Caetano Araújo e Fernanda Gomes Castro passam a ser réus e respondem por homicídio triplamente qualificado, sequestro e cárcere privado, ocultação de cadáver e corrupção de menor.

continua após publicidade

Bola responderá por dois crimes: homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver.

Ao aceitar a denúncia, a Justiça também transformou a prisão temporária (com duração de 30 dias) de oito dos envolvidos em prisão preventiva, em que os réus ficam detidos até o julgamento ou até a revogação da prisão.

continua após publicidade

Segundo a denúncia, Eliza Samudio foi cruelmente assassinada na noite de 10 de junho de 2010, em Vespasiano, na região metropolitana de Belo Horizonte. Os acusados planejaram e executaram o plano para matá-la em comum acordo. De acordo com o promotor de Justiça, Gustavo Fantini, o fato de não se ter ainda localizado o corpo de Eliza não interfere no processo, pois existem várias outras formas de se provar o homicídio.

Além dos nove acusados, um adolescente de 17 anos que está envolvido no crime cumpre medida socioeducativa em uma unidade para menores de idade de Minas Gerais.