Geral

Coohabras traz para Apucarana e Arapongas oportunidade para quem sonha com a casa própria

Da Redação ·
Maria Odete, membro da Rede Colmeia; Renato Munhoz, educador popular da Rede Colmeia; e Zenildo Megiatto, presidente da Rede Colmeia (Foto - José Luiz)
Maria Odete, membro da Rede Colmeia; Renato Munhoz, educador popular da Rede Colmeia; e Zenildo Megiatto, presidente da Rede Colmeia (Foto - José Luiz)

A Coohabras (Cooperativa Habitacional Central do Brasil) chega à Apucarana e Arapongas trazendo possibilidades de aquisição a casa própria. O projeto social sem fins lucrativos promove a conquista do primeiro imóvel a preço de custo.

continua após publicidade

A casa própria é o maior sonho de todo brasileiro, porém, o acesso a habitação não tem sido tarefa fácil para o trabalhador. Caminhando a favor disso, o Instituto Colmeia de Cidadania em parceria com a Rede Colmeia de Economia Solidária e a Rede Nacional de Habitação Solidária traz para Apucarana e Arapongas o projeto Coohabras. Com o slogan Construir Casa – Transformar vidas, a Cooperativa tem como objetivo possibilitar maneiras facilitadas de acesso a casa própria, além da construção da cidadania, fortalecimento da autoestima e possibilidades de conquista.

De acordo com o educador popular da Colmeia, Renato Munhoz, o projeto que já tem atuado sete Estados e seis municípios do Paraná (PR) tem cumprido com sua finalidade, que é construir casa para quem não tem casa. Sem visar o lucro, o metro quadrado de construção através da cooperativa sai por mil reais. Ou seja, uma casa com 80m², padrão Minha Casa Minha Vida, seria viabilizada por R$80 mil, valor bem abaixo do comercializado no mercado atualmente.

continua após publicidade

Outro grande diferencial é que, ao se cadastrar no projeto e se tornar um cooperado, o futuro proprietário do imóvel passa a fazer parte de um grupo. Nessa fase, os novos ingressos participam juntos de todas as escolhas, desde a compra de terreno até a fase de construção, processos arquitetônicos e tamanho do imóvel. Ainda segundo Munhoz, a partir do momento da inscrição até a entrega da chave do imóvel, o projeto leva uma média de 3 a 5 anos.

Zenildo Megiatto, presidente do Colmeia também explica que o grupo participará de atividades promovidas mensalmente nos encontros dos cooperados. Durante todo o período, eles se reunirão para definir novas diretrizes, construir ideias e buscar os melhores investimentos. “Essas discussões serão feitas entre os cooperados, que futuramente serão vizinhos, uns dos outros. Então, a criação da cidadania começa nesse momento, no envolvimento e contato com essas pessoas que farão parte do seu dia a dia dali em diante.” Ele ainda ressalta que todo esse processo se trata de uma conquista conjunta, onde o ideal é ‘construir juntos e morar juntos’.

Ingressando neste mês em Apucarana e Arapongas, a primeira fase se restringe na apresentação e prospecção de cooperados. Para acompanhar a agenda de visitas nas duas cidades o interessado deve acessar a plataforma online do projeto através do endereço www.redecolmeia.org ou www.coohabras.org.br.