Geral

Sonda entra na órbita de Júpiter após longa jornada

Da Redação ·
Mapeamento da órbita de Júpiter é facilitado por sonda da Nasa - Foto: Getty Images
Mapeamento da órbita de Júpiter é facilitado por sonda da Nasa - Foto: Getty Images

SALVADOR NOGUEIRA

continua após publicidade

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Após muita tensão, a sonda Juno transmitiu por rádio um único tom, que foi ouvido como música no Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa, às 0h53 desta terça (5). Era o sinal de que a espaçonave havia entrado com sucesso numa órbita ao redor de Júpiter.

Com isso, a Juno se tornou a segunda espaçonave a chegar ao redor do maior planeta do Sistema Solar. A primeira foi a Galileo, em 1995.

continua após publicidade

Algumas diferenças marcam essa segunda chegada. Se a Galileo tinha por objetivo fazer um reconhecimento superficial do planeta e um estudo detalhado de suas luas, a Juno deve se concentrar no estudo das profundezas de Júpiter.

Ela tentará desvendar os mistérios do que há no interior do gigante gasoso, a um custo de US$ 1,1 bilhão.

Entre as medições que os cientistas pretendem fazer, está uma estimativa da quantidade de água presente na atmosfera joviana. Isso dará pistas de em que lugar do Sistema Solar o planeta se formou (quanto mais longe do Sol, maior a quantidade de água esperada) e se ele se deslocou muito desde então.

continua após publicidade

Além disso, a sonda poderá descobrir a presença de um núcleo denso no interior daquele mundo, o que ajudaria a confirmar as atuais teorias de formação planetária.

A órbita inicial da sonda é uma elipse imensa, que ela cobre em 53 dias. Somente depois de duas voltas ela fará um novo ajuste para reduzir o período orbital para 14 dias.

Na manobra de inserção, os instrumentos científicos permaneceram todos desligados, de forma que as primeiras imagens realmente próximas de Júpiter colhidas pela sonda devem vir só em 27 de agosto. No total, a missão durará 37 órbitas, seguidas pelo mergulho de Juno na atmosfera de Júpiter, em fevereiro de 2018.

Embora a sonda não concentre seus estudos nas luas jovianas, Scott Bolton, cientista-chefe da missão, diz que existe a expectativa de que novos satélites naturais sejam descobertos. A contagem atual é de 67.