Geral

Paraná investe na modernização da perícia médica de servidores

Da Redação ·
Divisão de Medicina e Saúde Ocupacional. Setor de perícia médica no prédio da Paranáprevidência.Curitiba, 25/06/2015Foto: Ricardo Almeida / ANPr
Divisão de Medicina e Saúde Ocupacional. Setor de perícia médica no prédio da Paranáprevidência.Curitiba, 25/06/2015Foto: Ricardo Almeida / ANPr

A partir de uma análise técnica dos indicadores de patologias e número de atendimentos em perícias médicas no Estado do Paraná – que norteia um trabalho preventivo mais eficaz – e com uma nova forma de comunicação, a Divisão de Medicina e Saúde Ocupacional, unidade da Secretaria da Administração e da Previdência, prevê redução no número de atendimentos pericial e, consequentemente, economia para o Estado.“A determinação é para que seja realizada uma gestão positiva e não apenas o atendimento usual dos servidores que passam pela perícia médica”, afirmou a secretária da Administração, Dinorah Botto Portugal Nogara. Foi dela a iniciativa para a criação e fortalecimento da divisão, responsável por planejar atividades de prevenção de doenças e administrar o trabalho da perícia médica.O diretor de Medicina e Saúde Ocupacional, Marcus Vinícius Garcia Negrão, assumiu o posto, no início do ano, disposto a cumprir integralmente essa determinação.

“O trabalho centrava-se mais no atendimento”, disse. “Nós procuramos realizar uma análise mais profunda dos indicadores e construir uma proposta formalizada de prevenção”.Os relatórios elaborados até então serviam para formar a base de dados do sistema, mas não para serem estudados e apontarem caminhos de melhoria. “As ações respondiam mais à experiência, à prática das pessoas, do que a parâmetros estabelecidos por estudos”, afirmou Negrão.

PROJETO-PILOTO - No começo de 2015, a Divisão de Medicina e Saúde Ocupacional iniciou a análise dos dados de atendimentos da perícia médica no ano anterior. Por ser o órgão estadual com maior número de servidores, a Secretaria da Educação é também a que mais demanda o trabalho. Em 2014, por exemplo, 75% dos atendimentos foram de servidores ligados a essa área.Foram analisadas, ainda, as principais doenças que os afetam. “Cada secretaria tem características específicas, porque as atividades são diferentes”, disse Negrão.

“Portanto, para surtir efeitos satisfatórios, o trabalho de prevenção precisa respeitar as particularidades.”A partir desse levantamento, foi elaborado um projeto-piloto, em parceria com a Secretaria de Educação, que contará com recursos do Banco Mundial. Dele poderá resultar, inclusive, a criação de um núcleo de Saúde Ocupacional instalado na própria secretaria, garantindo um atendimento mais próximo do servidor.As ações a serem adotadas para a prevenção, além da melhoria na saúde do servidor, tendem a promover economia ao Estado, com a redução do atendimento em perícias.

continua após publicidade

Marcus Vinícius Garcia Negrão, diretor de Medicina e Saúde 
Ocupacional da secretaria da Administração e Previdência (SEAP). 
Foto: Ricardo Almeida / ANPr

continua após publicidade



PERGUNTAS E RESPOSTAS
– Ao analisar a forma como a comunicação sobre os serviços da perícia chegava aos servidores, os gestores da Divisão de Medicina e Saúde Ocupacional perceberam que o campo Pergunta e Resposta, no formato convencional de texto, colocado no Portal do Servidor, era pouco acessado. Com isso, o número de servidores que telefonava para reclamar ou procurar informações nas 18 Juntas de Inspeção e Perícia Médica do Estado era grande.Decidiu-se, então, dar um tratamento mais direto e agradável aos questionamentos e às respostas, apresentando-os em formato audiovisual. Os vídeos ficam hospedados no mesmo portal, em um ícone que já teve mais de 20 mil acessos. Eles também são veiculados em televisões colocadas nas salas de espera da perícia em Curitiba.A modernização do sistema teve impacto imediato, com redução do número de reclamações.

“As informações ficaram mais fáceis de serem acessadas no portal. Os vídeos também auxiliam no trabalho daqueles que prestam atendimento, seja nas perícias ou nas unidades de recursos humanos”, disse a secretária Dinorah Nogara.A nova ferramenta possibilita que os servidores enviem perguntas por escrito ou por vídeo. Periodicamente, esses questionamentos são reunidos e novos vídeos produzidos com as respostas. “Criou-se um bom canal de comunicação”, comemorou Marcus Vinícius Negrão.Em parceria com a Escola de Governo, a Divisão de Medicina e Saúde Ocupacional também está elaborando um curso a distância sobre perícia médica, com duração de 360 horas.