Geral

PR lança Mutirão de Cirurgias Eletivas para atender 30 mil pessoas

Da Redação ·
Beto Richa lança Mutirão de Cirurgias Eletivas para atender 30 mil pessoas - Foto: Agência Estadual de Notícias
Beto Richa lança Mutirão de Cirurgias Eletivas para atender 30 mil pessoas - Foto: Agência Estadual de Notícias

O Governo do Estado do Paraná realizará um grande movimento para reduzir a fila de espera por cirurgias eletivas de média complexidade. O objetivo é, em um ano, a partir de 1º de setembro, realizar 30 mil cirurgias de catarata, hérnia de disco, cirurgias ortopédicas, ginecológicas e demais áreas que não são emergenciais, mas que comprometem a qualidade de vida daqueles que aguardam sua vez de operar.

O Mutirão Paranaense de Cirurgias Eletivas foi lançado pelo governador Beto Richa na terça-feira (01), no Palácio Iguaçu, em Curitiba, junto com o secretário de Estado da Saúde, Michele Caputo Neto. Inicialmente, estão previstos R$ 33 milhões para o programa. Dos 30 mil procedimentos previstos, 15 mil serão de catarata, o que pode zerar a fila desse tipo de cirurgia no Paraná. “O Paraná é um dos estados que mais realiza esse tipo de cirurgias no País.

Com o mutirão, o objetivo é ampliar em 50% o número de procedimentos em um ano”, disse o governador. O mutirão de cirurgias eletivas é um esforço do Governo do Paraná para um dos maiores gargalos da saúde pública brasileira. “Temos o compromisso de reduzir essas filas e garantir aos paranaenses um atendimento mais ágil e humano”, disse Richa. As cirurgias de emergência são realizadas imediatamente no atendimento ao paciente crítico. No entanto, na média complexidade há dificuldade em agendamento de consultas e exames e na marcação do procedimento cirúrgico. Como não há risco eminente para a pessoa, o adiamento acaba sendo inevitável pela grande demanda de emergências.

BONS RESULTADOS
- Na solenidade, o governador fez um balanço dos investimentos do governo estadual em saúde e atribuiu o bom momento ao ajuste fiscal do Estado. “Ao contrário de vários estados brasileiros, o Paraná se antecipou e fez um grande ajuste para superar a crise econômica nacional. Agora estamos com o orçamento equilibrado e com dinheiro para investir”, disse Richa, citando, como exemplo, a liberação de R$ 60 milhões, no mês passado, para transporte médico. Richa criticou o governo federal pelo corte de R$ 13 bilhões do orçamento para a saúde e disse que o subfinanciamento à área sobrecarrega municípios e estados. “Nos últimos dez anos, a União reduziu sistematicamente seus investimentos em saúde. Há uma década, a União era responsável por 70% do financiamento da saúde. Hoje, responde por menos de 30%. Transferiu responsabilidades para estados e municípios, sem a devida contrapartida”, afirmou Richa.

PRIORIDADE – O secretário da Saúde explicou que, em quatro anos e meio, o Paraná realizou mais de 80 mil cirurgias eletivas. “Estamos investindo recursos do Estado e credenciando mais hospitais para atendermos a necessidade da população, que espera há anos pelas cirurgias”, disse Michele Caputo Neto. De acordo com ele, a prioridade das cirurgias será dada para os casos mais graves. “Com esse mutirão vamos resolver todos os casos mais sérios e intermediários. Acreditamos que podemos zerar a fila para cataratas”, disse o secretário. MUNICÍPIOS - O mutirão atende os municípios que estão na gestão estadual. Os municípios que têm Gestão Plena do Sistema de Saúde (Curitiba, Londrina, Maringá, Campo Mourão, Foz do Iguaçu, Pato Branco, Francisco Beltrão, Apucarana, Umuarama e Cianorte) e que têm mais de 50 mil habitantes poderão aderir ao mutirão estadual. Esses municípios recebem recursos para o mutirão diretamente do Ministério da Saúde.

PRESENÇAS – A solenidade de anúncio do programa contou com a presença do presidente da Assembleia Legislativa do Paraná, deputado estadual Ademar Traiano; do deputado federal Luciano Ducci; do presidente da Associação dos Municípios do Paraná (AMP) e prefeito de Assis Chateaubriand, Marcel Micheletto; além de diretores de hospitais, deputados e prefeitos.

Fonte: Agência Estadual de Notícias

continua após publicidade