Geral

​Agentes penitenciários aderem à greve do funcionalismo no Paraná

Da Redação ·
Agentes se reúnem em frente à Penitenciária Estadual de Maringá (PEM) (Foto: Bruno Favaro/RPC)
Agentes se reúnem em frente à Penitenciária Estadual de Maringá (PEM) (Foto: Bruno Favaro/RPC)

Os agentes penitenciários do Paraná entraram em greve na manhã deste sábado (23), em protesto contra o governador Beto Richa (PSDB). De acordo com o Sindicato dos Agentes Penitenciários do Paraná (Sindarsper), cerca de 2,3 mil servidores aderiram à paralisação no estado.

continua após publicidade

Eles pedem maior reajuste de salário, contratação de novos agentes, plano de carreira, aposentadoria especial e pagamento de promoções e progressões em atraso e retroativo. Segundo o sindicato, a paralisação não influenciará no efetivo dentro das penitenciárias.

No entanto, apenas as atividades consideradas essenciais estão mantidas. Banho de sol, visitas, aulas, trabalho e atendimento ao público geral foram suspensos. “A relação do governo com os servidores públicos já estava desgastada por conta da lei aprovada que redefiniu regras ao ParanáPrevidência. Mesmo assim, ele [o governador Beto Richa] insiste em acabar com os direitos dos trabalhadores, pois a data-base é garantida por lei estadual que determina que a reposição da inflação, que está em 8,17%”, afirma Petruska Sviercoski, presidente do Sindarspen.

continua após publicidade

Os servidores também reclamam da falta de segurança dentro dos presídios estaduais. "Já estamos com muitos problemas de segurança há algum tempo. Chegamos ao cúmulo de um bandido invadir presídio para matar agente. É inadmissível!", reclama Gilson Brasil, representante do sindicato em Maringá.

O G1 tentou entrar em contato com a Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária do Paraná, mas, por não haver expediente aos sábados, ninguém foi encontrado.