Geral

Papa: devemos entrar com muita humildade

Da Redação ·
Papa critica exclusão dos pobres e dos doentes - Foto: AP
Papa critica exclusão dos pobres e dos doentes - Foto: AP

Vigília das vigílias na noite de Sábado Santo na celebração presidida pelo Papa Francisco. Na Basílica de S. Pedro o lume novo abre o caminho da liberdade para o povo de Deus sair da escravidão do pecado. O Santo Padre na sua homilia exortou os cristãos a entrarem no mistério da ressurreição de Jesus com humildade. E começou por revelar a atitude das mulheres discípulas de Cristo:

“Foi uma noite de vigília para os discípulos e as discípulas de Jesus. Noite de desolação e de medo. Os homens permaneceram fechados no Cenáculo. As mulheres, ao contrário, ao alvorecer do dia depois do sábado foram ao sepulcro para ungir o corpo de Jesus.” Estas mulheres não sabiam o que encontrariam e perguntavam-se se teriam alguém que fizesse “rolar a pedra do sepulcro” – considerou o Papa que sublinhou o facto de terem sido estas mulheres discípulas de Jesus “as primeiras” a entrarem no túmulo vazio: “Faz-nos bem, nesta noite de vigília, deter-nos a refletir sobre a experiência das discípulas de Jesus, que nos interpela a nós também. Realmente é para isto que estamos aqui: para entrar, entrar no Mistério que Deus realizou com a sua vigília de amor.”

O Papa Francisco afirmou neste momento da sua homilia que “não se pode viver a Páscoa, sem entrar no mistério.” Entrar no mistério – frisou o Santo Padre – significa “escutar o silêncio”, não ter “medo da realidade”, não fugir daquilo que não entendemos, mas ir além daquilo que é cómodo, ir “além da preguiça e da indiferença que nos paralisam”. “Para entrar no mistério, é preciso humildade” – afirmou o Papa Francisco. Entrar no mistério é baixar-se e esvaziar-se das “próprias idolatrias” e vigiar tal como fizeram as discípulas de Jesus – afirmou o Santo Padre: “Tudo isto nos ensinam as mulheres discípulas de Jesus. Elas estiveram de vigia naquela noite, juntamente com a Mãe. E Ela, a Virgem Mãe, ajudou-as a não perderem a fé nem a esperança.”

“Vigiaram, saíram e entraram no Mistério.” Numa liturgia densa de símbolos de purificação e de vida nova como o fogo e a água, o Papa Francisco batizou e crismou dez homens e mulheres de Itália, do Camboja, do Quénia, da Albânia e também de Portugal. Com efeito, vinda da diocese de Setúbal, Helena Lobato foi batizada pelo Papa Francisco e, dias antes da partida para Roma, falou à reportagem da Agência Ecclesia e confessou algum nervosismo que se foi esmorecendo ao longo do tempo e declarou sentir-se tranquila para a celebração do seu batismo. (RS)

continua após publicidade