Geral

Piloto mandou copiloto abrir "maldita porta", revela gravação da caixa-preta

Da Redação ·
Andreas Lubitz - Foto: AP
Andreas Lubitz - Foto: AP

As gravações da primeira caixa-preta do voo da Germanwings, que bateu contra montanhas dos alpes franceses e matou 150 pessoas, na última terça-feira (24), revelam as tentativas desesperadas de o capitão entrar na cabine minutos antes da colisão. O piloto Patrick Sondheimer bate na porta e grita "abra a maldita porta" para o copiloto Andreas Lubitz, que estava do lado de dentro. As gravações foram divulgadas neste domingo (29) pelo jornal alemão Bild e reproduzidas no Daily Mail.


A caixa-preta revela que Lubitz bloqueou a porta de propósito e que usou o sistema de gestão do avião para colocá-lo em plano descida, algo que só pode ser feito manualmente. 

O áudio começa com o capitão pedindo desculpa aos passeiros pelo atraso de 26 minutos para decolar de Barcelona, na Espanha, e prometendo compensar o tempo durante o voo para Dusseldorf, na Alemanha.  Nos próximos 20 minutos, Sondheimer conversa com copiloto Andreas Lubitz. O capitão explica que por causa do atraso em Barcelona, não pode ir ao banheiro. Lubitz diz que pode assumir o controle enquanto o capitão sai da cabine.

Às 10h27, quando o avião atinge a altitude de 38 mil pés, o piloto pede ao copiloto para se preparar para o pouso, em Dusseldorf. As respostas de Lubitz são descritas pelos promotores franceses como "lacônicas". Ele usa palavras como "espera" e "vamos ver". 

Após as verificações para o pouso, Lubitz sugere novamente que Sondheimer pode ir ao banheiro.  Dois minutos depois, o piloto pede que o copiloto assuma o comando da aeronave. Há o som de uma poltrona sendo empurrado para trás e uma porta batendo.  A aeronave vai perdendo altitude e às 10h32, os controladores de tráfego aéreo tentam contato com a cabine, mas não obtém resposta. Na sequencia, o sinal automático de perda de altitude é acionado. 

Pouco tempo depois, há um grande estrondo, que soa como se alguém chutasse a porta. Sondheimer grita: "Pelo amor de Deus, abra a porta!". Também é possível, ouvir gritos dos passageiros.  Às 10h35, outro estrondo metálico é ouvido contra a porta da cabine. Neste momento, de acordo com as autoridades francesas, o avião está a 7 mil pés acima do solo. Cerca de 90 segundos depois, há uma nova mensagem de aviso dos controladores: "Terra! Puxe para cima! Puxe para cima!". O piloto pede novamente para que o piloto abra a porta.  Às 10h40, a asa direita do avião atinge as montanhas. Os últimos sons são mais gritos dos passageiros. 

Copiloto queria destruir avião

Durante coletiva de imprensa, o promotor Brice Robin disse que a intenção de Lubitz era "destruir o avião". "A morte foi instantânea. O avião atingiu a montanha a 700 km/h", disse.  "Eu não acho que os passageiros perceberam o que estava acontecendo até os últimos momentos, porque os gritos são ouvidos apenas nos segundos finais".  Referindo-se a Lubitz, Robin disse que ainda não há razão para suspeita de um ataque terrorista e também rechaça a possibilidade de terrorismo. "Não há nenhuma razão para suspeitar de um ataque terrorista. As pessoas que cometem suicídio normalmente fazem isso sozinhas. Eu não chamo isso de suicídio".

Fonte: ultimosegundo.ig.com.br

continua após publicidade