Geral

Google deve enfrentar processo por direito autoral

Da Redação ·
Fotógrafos e ilustradores acusam a empresa de violar seus direitos
fonte: Foto por Reuters
Fotógrafos e ilustradores acusam a empresa de violar seus direitos

O Google deve ser processado por fotógrafos, ilustradores e outros artistas visuais que acusam a empresa de violar seus direitos ao copiar e exibir seus trabalhos sem compensação.

continua após publicidade

A American Society of Media Photographers e outros excluídos de um acordo pendente do segmento sobre digitalização de livros vão iniciar um processo nesta quinta-feira (8), segundo o escritório de direito que representa os profissionais.

continua após publicidade

James McGuire, sócio da empresa de advocacia com sede em Londres, contou que a queixa tentará representar um processo da classe trabalhadora em nome de diversos artistas e foi aberta em um tribunal do distrito de Nova York.

continua após publicidade

- Esse caso é sobre equilíbrio e compensação.

Não havia uma cópia da queixa imediatamente disponível e o Google não retornou as ligações para comentar o assunto.

continua após publicidade

O acordo pendente vem de um processo de 2005 do Authors Guild e outros editores que acusam a empresa do Vale do Silício de violar direitos autorais ou copiar milhões de livros de bibliotecas para o formato digital.

continua após publicidade

Pelo negócio, o Google pagaria US$ 125 milhões (R$ 220,8 milhões) para criar um registro de direito de livros, permitindo aos editores que registrem seus próprios trabalhos ao mesmo tempo em que encontram outras formas de ganhar dinheiro para trabalhos publicados online.

continua após publicidade

A Amazon.com e a Microsoft estão entre as empresas que se opõem ao acordo, enquanto a Sony, que fabrica leitores eletrônicos, é favorável.

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos afirmou que a aliança, mesmo sendo melhor que o comprometimento anterior, ainda parece violar leis de direito autoral no país.

O juiz Denny Chin ouviu os argumentos sobre o acordo em 18 de fevereiro e ainda decidirá se o aprovará.