Geral

Professores da rede estadual do PR entram em greve a partir de segunda

Da Redação ·
Cerca de 1940 professores devem paralisar na região - Foto: Sérgio Rodrigo
Cerca de 1940 professores devem paralisar na região - Foto: Sérgio Rodrigo

Professores da rede estadual de ensino votaram a favor da greve na manhã deste sábado (7) em Guarapuava, na região central do Paraná. Milhares de professores de todo o estado se reuniram no pátio do Guarapuava Esporte Clube.

continua após publicidade

Após vários protestos, eles optaram por paralisar as atividades a partir da segunda-feira (9), quando as aulas deveriam começar em todo o estado. Segundo o Governo do Paraná, 950 mil alunos da rede estadual de ensino devem ser prejudicados pela greve. Ao todo, as 2,1 mil escolas estaduais empregam cerca de 70 mil professores.

Os telefones de todas as instituições de ensino estão disponíveis no site da Secretaria da Educação caso os pais tenham dúvidas sobre a greve. “A greve geral é consequência da irresponsabilidade do Governo do Paraná, que atacou direitos pelos quais lutamos décadas para conquistar” afirma o presidente Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Paraná (App), Hermes Leão.

continua após publicidade

Ainda de acordo com ele, durante a assembleia, os professores também combinaram as ações durante a semana com atos em Curitiba na segunda-feira e na terça-feira (10). Motivos que levaram à greve O sindicato listou motivos que levaram os professores a optar pela greve. São eles: - 29 mil professores PSS - contratados temporários - com atrasos de pagamento, sem acertos da rescisão, dispensados no final de janeiro;- 10 mil funcionários de escola afastados com a promessa de corte de 30 % deste efetivo - as escolas do Paraná carecem de mais funcionários para atender adequadamente os estudantes.

REGIÃO

Segundo Arildo Ferreira de Castro - Presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Paraná (APP) de Apucarana, a previsão, cerca de 80% dos professores, ligados ao núcleo regional de Apucarana, paralisariam já no início da semana. “Nossa pauta, após as discussões nas assembleias regionais, tem mais de 50 itens, mas no momento, a maior prioridade seria a revisão do plano de carreira, o qual foi apresentado recentemente na assembleia legislativa”.

Segundo informações do Núcleo Regional de Educação o número corresponde a cerca de 1940 professores - em 16 municípios da região.