Geral

Igreja indeniza britânica 'drogada e abusada' em abrigo

Da Redação ·
 Cooper teria recebido mais de 1,2 mil doses de remédio em 32 meses.
fonte: BBC Brasil
Cooper teria recebido mais de 1,2 mil doses de remédio em 32 meses.

A Igreja da Inglaterra pagou uma indenização substancial para uma mulher que afirma ter sido drogada e abusada sexualmente em um abrigo administrado pela igreja nos anos 80.
 

continua após publicidade

Teresa Cooper foi enviada ao abrigo Kendall House, em Gravesend, no condado de Kent, na Inglatera, quando tinha 14 anos, e descreve os três anos que passou ali como "um pesadelo de abusos".
 

O abrigo fechou, mas Teresa Cooper passou as últimas duas décadas reunindo arquivos e documentos que a ajudam a contar sua história.
 

continua após publicidade

Eles contêm registros diários do que aconteceu com ela.
 

Ela não tinha problemas psiquiátricos, mas recebeu imediatamente altas doses de medicamentos, com efeitos devastadores.
 

"Eu costumava ter alucinações, ver coisas rastejando para cima da minha cama, eu desmaiava toda hora, não me alimentava direito. Em um certo ponto eu tive de ser alimentada por outra pessoa porque eu não conseguida fisicamente me alimentar", conta Cooper.
 

continua após publicidade

Defeitos de nascença


Casa onde funcionava o abrigo
 

O abrigo de crianças funcionava nesta casa, em Kent.
 

Uma investigação da BBC realizada no ano passado descobriu que durante 32 meses Teresa Cooper recebeu remédios mais de 1,2 mil vezes.
 

continua após publicidade

A lista inclui antipsicóticos, anti-depressivos, drogas para evitar os efeitos colaterais e altas doses de tranquilizantes, como Valium.
 

"Para alguém que não tem problemas psiquiátricos, receber estas drogas, nestas combinações e nestas doses, não deveria ser feito", diz o médico Munir Pirmohamed, da Universidade de Liverpool.
 

continua após publicidade

Todos os três filhos de Teresa Cooper tiveram defeitos de nascença. Ela diz conhecer outras 18 mulheres que ela acredita também terem sido drogadas no abrigo e que também tiveram crianças com problemas.
 

Não existem provas científicas de uma ligação, mas seu advogado acredita que o assunto precisa ser questionado.
 

"Existem questões parecidas em alguns destes casos e eu acho que, no mínimo, a Igreja deveria iniciar uma investigação aberta e honesta sobre estes casos", diz o advogado David Coleman.
 

A Igreja não quis conceder nenhuma entrevista, mas a Diocese de Rochester e Canterbury emitiu um comunicado em que diz: "Ao se chegar ao acordo, não foi feita nenhuma admissão de responsabilidade. É nossa esperança fervorosa que os termos do acordo ajudem Teresa Cooper a seguir em frente com sua vida."
 

Ela reconhece que a compensação foi "um importante passo na direção certa".