Geral

Grã-Bretanha concede asilo a homossexuais

Da Redação ·
 Theresa May afirma que decisão condiz com a posição do governo
fonte: AP/BBC Brasil
Theresa May afirma que decisão condiz com a posição do governo

A Suprema Corte da Grã-Bretanha concedeu nesta quarta-feira asilo a dois homossexuais que alegavam sofrer perseguição em seus países de origem, Irã e Camarões.
 

continua após publicidade

Os juízes da corte concordaram por unanimidade com a concessão de asilo aos dois homens.
 

Anteriormente, os dois tiveram seus pedidos de asilo recusados por um tribunal inferior sob alegação de que eles poderiam esconder sua sexualidade agindo discretamente.
 

continua após publicidade

À época, a Corte de Recursos havia decidido que, se os dois homens conseguissem esconder sua sexualidade, a situação deles poderia ser encarada como "razoavelmente tolerável".
 

Os dois homens, no entanto, recorreram alegando que este teste de tolerância é contrário à Convenção para Refugiados, da qual a Grã-Bretanha é signatária.
 

David Hope, vice-presidente da Suprema Corte e o juiz que leu a sentença nesta quarta-feira, afirmou que obrigar uma pessoa homossexual a "fingir que sua sexualidade não existe ou a reprimir o comportamento pelo qual se manifesta, é negar seu direito fundamental de ser quem ele é".
 

continua após publicidade

A secretária do Interior britânica, Theresa May, afirmou que o julgamento justificou a postura do atual governo britânico, formado por uma coalizão de conservadores e liberais-democratas.
 

Ataques
 

O homem de Camarões, que é identificado pelas iniciais H. T., afirma que foi atacado por um grupo em casa depois de ter sido visto beijando seu parceiro.
 

continua após publicidade

"Algumas pessoas me pararam e disseram: 'sabemos que você é gay'", disse H. T. à BBC. "Não posso voltar e esconder quem eu sou ou mentir sobre minha sexualidade", acrescentou.
 

Nos últimos quatro anos, H. T. vinha lutando contra sua deportação da Grã-Bretanha.
 

O outro homem que conseguiu asilo é um iraniano de 31 anos que teria sido atacado e expulso da escola quando foi descoberto que ele era homossexual.
 

No Irã a punição por atos homossexuais pode ir de chicoteamentos em público até a pena de morte. Em Camarões, as penas de prisão por homossexualidade variam entre seis meses e cinco anos.