Geral

Ehud Barak vê diálogo com palestinos perto de recomeço

Da Redação ·

O ministro da Defesa de Israel, Ehud Barak, afirmou hoje acreditar que as negociações diretas de paz entre israelenses e palestinos devem começar "nas próximas semanas", segundo comunicado divulgado por seu escritório. "Há realmente uma boa chance de que nós estejamos às vésperas de conversas diretas entre nós e os palestinos em todos os temas", disse Barak, após um encontro com senadores dos Estados Unidos em Jerusalém.

continua após publicidade

Os comentários foram feitos horas depois de o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, se reunir com o presidente dos EUA, Barack Obama, na Casa Branca. O líder norte-americano disse esperar ver negociações diretas entre os dois lados "bem antes" do fim de setembro.

continua após publicidade

Barak afirmou que conversou por telefone com Netanyahu após a reunião do premiê com Obama, avaliada tanto pelo norte-americano como pelo israelense como um encontro muito positivo. Por enquanto, o enviado especial dos EUA para o Oriente Médio, George Mitchell, tem contatado os dois lados para aparar arestas.

continua após publicidade

Há mais de 18 meses não são realizadas negociações diretas de paz entre palestinos e israelenses. Os palestinos congelaram o diálogo em dezembro de 2008, quando Israel lançou um ataque de 22 dias contra o Hamas, na Faixa de Gaza.

'Sinal'

continua após publicidade

Também hoje, o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, afirmou que esperava um "sinal" de Israel em temas importantes, como segurança e fronteiras, antes da retomada das negociações diretas de paz. Abbas falou em Adis-Abeba, durante uma visita oficial à Etiópia. "Nós apresentamos nossas propostas para americanos e israelenses e estamos esperando a impressão e a reação israelense", afirmou ele, após um encontro com o primeiro-ministro etíope, Meles Zenawi.

Netanyahu diz que está pronto para se encontrar com Abbas a qualquer momento. Os palestinos, porém, criticam também a política de Israel de continuar ocupando assentamentos em terras que eles querem como parte de um futuro palestino Estado independente. As informações são da Dow Jones.