Geral

Denúncias anônimas podem ser feitas também pela internet

Da Redação ·
Foto: Osvaldo Ribeiro/SESP
Foto: Osvaldo Ribeiro/SESP

Denúncias sobre tráfico de drogas ou crimes de violência contra crianças, mulheres e idosos, ou informações que colaborem com a prisão de criminosos, agora podem ser feitas também pela internet, no site do 181 Narcodenúncia. A nova ferramenta, desenvolvida pela Companhia de Tecnologia da Informação e Comunicação do Paraná (Celepar), vai facilitar o procedimento para quem pretende ajudar, de forma anônima, colaborar com as polícias. 

Basta acessar o site do programa (www.181.pr.gov.br) e clicar na aba “Faça sua denúncia”. Até então, as informações só podiam ser repassadas via telefone. A nova ferramenta não descarta esta modalidade, que continua atendendo o cidadão assim que ele ligar para o número 181. O atendimento via telefone ou on-line é realizado 24 horas por dia e a identidade da pessoa que faz a denúncia é mantida em sigilo. Nenhuma taxa é cobrada e a denúncia pode ser feita de qualquer localidade do Paraná. 

Para o capitão Edivan Fragoso, coordenador estadual do 181, o sistema on-line facilitará que a população denuncie cada vez mais crimes sem a necessidade de identificação. “O cidadão agora terá condições de fazer uma denúncia pela internet com total segurança, sabendo que sua identidade será mantida no mais absoluto sigilo e que, em caso de ligações, o sistema não irá gravar a conversa”, disse. Ele explica que, assim como as denúncias feitas pelo telefone, as do site também serão analisadas e encaminhadas para as autoridades policiais para que sejam iniciados os trabalhos de investigação. 

O coordenador do programa também destacou que cada denúncia é importante para que o trabalho policial seja efetuado. “As informações são acessadas diretamente pelas polícias e têm uma grande aceitação. O 181 é uma ferramenta importante no trabalho de investigação da Polícia Civil e de planejamento do policiamento da Polícia Militar”, comenta.

Além da inovação, o 181 agora funciona no Centro de Comando e Controle, localizado no prédio da Secretaria da Segurança, no Centro Cívico, em Curitiba. As novas instalações permitem um atendimento à população ainda melhor. “Hoje estamos com uma estrutura moderna, onde temos condições de fazer um atendimento 24 horas por dia das denúncias que são feitas por telefone e temos também a condição de acionar as polícias no caso de emergência”, ressalta o capitão. 

DENÚNCIA - Para fazer uma denúncia on-line é necessário acessar o site do 181 Narcodenúncia (www.181.pr.gov.br). No lado esquerdo da página, é só clicar no ícone “Faça sua denúncia”, que direciona para um formulário de preenchimento. É fundamental informar nome ou o apelido de quem está cometendo o crime, o município, nome da rua e o bairro, e demais informações, como características das pessoas, placa de veículos, números de telefone e todas as informações que possam auxiliar as autoridades na atuação eficaz para solucionar o caso. 

O sistema também solicita ao denunciante que escolha denunciar de forma identificada, anônima, ou sigilosa, quando os dados do denunciante serão visíveis apenas para a Secretaria da Segurança. Após este processo, as informações serão cadastradas no banco de dados da unidade e repassadas para as polícias. 

181 NARCODENÚNCIA - Implantado em junho de 2003 pelas secretarias da Justiça e da Segurança – com a denominação de 161 Narcodenúncia – o programa era voltado exclusivamente ao combate ao narcotráfico e fez com que as polícias batessem recordes na apreensão de drogas em todo o Paraná. 

Com o sucesso alcançado, o Governo do Estado sugeriu ao governo federal a implantação de um número nacional, o 181. Em contrapartida, o Paraná cedeu os direitos e também o uso do software de todo o programa para que qualquer estado possa implantar o Narcodenúncia. 

O objetivo era criar um banco de dados nacional e interligado, fazendo do Narcodenúncia uma das melhores ferramentas no combate ao tráfico de drogas, assim como já acontecia no Paraná. 

O número também atende chamadas de qualquer cidade do Estado através das centrais de atendimento à população, localizadas em seis cidades: Curitiba, Ponta Grossa, Londrina, Maringá, Cascavel e Pato Branco. 

continua após publicidade