Geral

Secretário-geral da Unasul quer prioridade nas relações intrarregionais

Da Redação ·
Foto: Roberto Stuckert Filho/ PR
Foto: Roberto Stuckert Filho/ PR

BRASÍLIA, DF - O secretário-geral da União de Nações Sul-Americanas (Unasul), Ernesto Samper, defendeu nesta segunda-feira (10) que os países da América do Sul devem priorizar as soluções econômicas dentro do próprio continente ao invés de buscar alternativas em outras partes do mundo.

continua após publicidade

Ele se reuniu com a presidente Dilma Rousseff no Palácio do Planalto para discutir as principais agendas para a próxima reunião do bloco, em 4 e 5 de dezembro no Equador.

De acordo com Samper, as prioridades para a América do Sul devem ser a construção de uma agenda social que possa contribuir para a redução da desigualdade, o aumento da competitividade dos países integrantes do bloco e a garantia da estabilidade da democracia em toda a região.

continua após publicidade

"Nós não temos que sair a buscar em outras partes do mundo nossas possibilidades de desenvolvimento. O futuro da América do Sul está dentro da América do Sul, com as possibilidades de crescimento do comércio intrarregional. [...] Temos trabalhado com a presidente prioridades de projetos de infraestrutura que tem coincidido com a necessidade de resolvermos, em primeiro lugar, projetos que envolvem mais de dois países", afirmou Samper.

O secretário destacou ainda que a Unasul seguirá atenta para garantir que não haja ameaças de ruptura da ordem democrática nos países integrantes do bloco.

"A Unasul nasceu como uma resposta política para nos convertemos em uma região que busca um processo de integração. Temos tido atuações históricas em manter a democracia em países como o Paraguai, Venezuela e Equador quando foram ameaçados de tal maneira que isso seguirá sendo uma preocupação da Unasul", disse.

continua após publicidade

Para Samper, o Brasil será o "grande articulador do nosso equilíbrio regional" nos próximos anos.

A próxima reunião da Unasul acontecerá em Guayaquil e Quito, no Equador, em 4 e 5 de dezembro. Dilma ainda não decidiu se participará do encontro.