Geral

Protestos em Burkina Fasso seguem após ditador se recusar a renunciar

Da Redação ·
Manifestante anti-governo enfrenta um soldado das Forças Nacionais, do lado de fora do edifício do parlamento em Uagadugu, capital de Burkina Fasso - (Joe Penney/Reuters)
Manifestante anti-governo enfrenta um soldado das Forças Nacionais, do lado de fora do edifício do parlamento em Uagadugu, capital de Burkina Fasso - (Joe Penney/Reuters)

SÃO PAULO, SP - Protestos contra o governo de Burkina Fasso recomeçaram nesta sexta-feira (31) na capital, Uagadugu, depois de um dia de manifestações violentas que obrigaram o ditador do país, no poder há 27 anos, a desistir de concorrer a mais uma reeleição.

continua após publicidade

Ainda assim, Blaise Compaoré disse que permanecerá no cargo por mais 12 meses, em um governo de transição que vai durar até as eleições de 2015.

Os novos protestos foram convocados pela oposição nas redes sociais e manifestantes estavam se reunindo novamente nesta sexta no centro da capital.

continua após publicidade

Zéphirin Diabré, líder da oposição, pediu ao povo para "manter a pressão" para obter "a saída incondicional" de Compaoré.

Na quinta, os manifestantes invadiram o Parlamento para evitar a votação de uma emenda constitucional que permitiria que Compaoré se candidatasse para mais um mandato de cinco anos.

Os manifestantes também incendiaram o Parlamento e outros prédios públicos da capital, além de invadirem sedes da imprensa estatal.

continua após publicidade

Em resposta ao caos, Compaoré decretou o estado de exceção, mas logo os militares anunciaram a dissolução do governo e prometeram a formação de um governo interino de transição até as eleições do próximo ano.

APOIO OCIDENTAL

Um dos países mais pobres e menos desenvolvidos da África, Burkina Fasso mantinha certa estabilidade nos últimos anos. O país também é conhecido por sediar o Festival Pan-Africano de Cinema, o principal do continente.

continua após publicidade

Governando o país desde 1987 após dar um golpe, Compaoré contava com o apoio da ex-metrópole França e dos EUA.

O país sedia uma das bases francesas usada no combate a radicais islâmicos no vizinho Mali.