Geral

Chega a 40 número de mortos pelas chuvas no Rio

Da Redação ·
 A região da Grande Tijuca, Zona Norte do Rio de Janeiro, é a mais afetada
fonte: oreporter.com
A região da Grande Tijuca, Zona Norte do Rio de Janeiro, é a mais afetada

O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), informou hoje que chega a 40 o número de mortos no Estado em consequência das chuvas que atingem o Rio desde ontem. Houve mortes na capital, em Niterói e de uma pessoa em São Gonçalo, segundo o governador.

continua após publicidade

Cabral afirmou que esta é "a maior enchente da história do Rio de Janeiro". Ele disse que desabamentos em áreas de risco foram a principal causa das mortes e criticou governantes "que, por demagogia, permitiram, no passado, que áreas de risco fossem ocupadas".

O governador afirmou que os transtornos no trânsito e nos trens e os alagamentos das ruas são um problema menor diante das mortes. "Tudo isso é horrível, é um transtorno, mas não mata", afirmou, ao deixar o hotel Copacabana Palace, onde se reuniu durante 30 minutos com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

continua após publicidade

Apelo

Lula fez um apelo para que pessoas que moram em áreas de risco no Estado do Rio de Janeiro deixem suas casas o mais rapidamente possível e esperem a chuva passar para ter noção dos danos provocados.

"Por favor, saiam. É preciso que as pessoas estejam vivas para enfrentar o problema. Contra as intempéries, não há ser humano que possa enfrentar, quando são muito grandes. Eu soube que esta é a pior enchente do Rio de Janeiro, pior que a de 1966, a de 1988 e a de 1996. Vamos esperar a chuva passar para ver quais são as necessidades mais imediatas", afirmou o presidente, que está desde a noite de ontem no Rio.

continua após publicidade

Lula deixou o hotel Copacabana Palace para participar de uma reunião na sede do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O presidente disse que a segunda etapa do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2) vai incluir um amplo planejamento de dragagem e de contenção de áreas de risco.

O presidente ressaltou que os problemas de enchentes atingem vários Estados do País e que a maior parte é causada pela ocupação desordenada. "Se você for ao meu apartamento em São Bernardo, até lá tem água, tem infiltrações", disse.