Geral

Padre é suspeito de desviar R$ 850 mil de paróquia em Cascavel (PR)

Da Redação ·
Padre é suspeito de desviar R$ 850 mil de paróquia em Cascavel
fonte: Foto: Divulgação
Padre é suspeito de desviar R$ 850 mil de paróquia em Cascavel

O arcebispo de Cascavel, dom Mauro dos Santos, nomeou dois padres que terão a responsabilidade de investigar denúncias de desvio de recursos na Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, localizada no Bairro Neva, em Cascavel. O padre Alfeu Leonidas Teodoro e três funcionárias da secretaria paroquial são suspeitos de falsificação de assinaturas dos tesoureiros nos balancetes enviados ao bispo. Segundo a denúncia, eles lançavam duas vezes as despesas e estornavam os dízimos. Duas secretárias supostamente envolvidas no esquema têm grau de parentesco com o religioso e a terceira trabalha há mais de dez anos na paróquia.

continua após publicidade

Dom Mauro não falou em valores, mas de acordo com uma fonte que preferiu o anonimato, foram desviados mais de R$ 850 mil dos cofres da igreja. São recursos de dízimos e ofertas de fiéis além de dinheiro obtidos com festas religiosas. Os desvios estariam ocorrendo desde janeiro de 2011, quando o pároco assumiu a igreja.

O arcebispo disse que após o pedido de investigação, convidou os membros do Conselho Econômico Paroquial para uma reunião do Colégio de Consultores da Arquidiocese. No encontro, a denúncia foi formalizada por escrito. Dom Mauro disse ter informado ao pároco que negou as acusações.

continua após publicidade

Os dois padres que terão o papel de investigadores têm até o dia 30 de setembro para ouvir todos os envolvidos e apresentar o relatório. O julgamento segue o rito do Código de Direito Canônico. Por enquanto, o padre Alfeu continua respondendo pela paróquia.

Com base no relatório, o arcebispo decidirá se abre ou não um processo administrativo contra o padre. Dentro das leis da Igreja, em um processo administrativo as investigações são encaminhadas para um promotor de Justiça canônico que pode apresentar a denúncia ou não.

Caso o promotor chegue à conclusão de que não há dados suficientes para apresentar a denúncia, o processo é arquivado.

continua após publicidade

Se houver condenação, o padre poderá recorrer a outras duas instâncias dentro do Tribunal Eclesiástico, ambas no Vaticano.

O arcebispo metropolitano destaca que durante toda a sua vida religiosa e mesmo quando atuava como servidor público federal nunca engavetou processos.

Dom Mauro ressalta, no entanto, que é preciso ter prudência.

“As pessoas que têm provas devem denunciar, mas quem não tem, só ouviu falar, pode colocar na berlinda nomes de pessoas que poderão ser maculados para sempre, sem ter como reabilitar a honra. Então, a prudência é o melhor caminho”, diz.

Confira matéria completa AQUI