Geral

Mortes por ebola na África passam de 2 mil; OMS aprova novo tratamento

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Mortes por ebola na África passam de 2 mil; OMS aprova novo tratamento
fonte: Foto: Jean Louis Mosser/ European Commission DG ECHO
Mortes por ebola na África passam de 2 mil; OMS aprova novo tratamento

SÃO PAULO, SP - O número de mortes causadas pela epidemia de ebola na África passou a barreira dos 2.000, anunciou nesta sexta-feira (5) a OMS (Organização Mundial da Saúde).

continua após publicidade

Segundo a entidade, 2.105 pessoas morreram e 3.968 casos foram registrados desde o início do ano.

Nos três países mais afetados pelo surto -Guiné, Libéria e Serra Leoa-, são 2.097 mortes e 3.944 casos.

continua após publicidade

Somam-se a eles os casos registrados na Nigéria -23. Oito pessoas morreram no país, que é o mais populoso da África.

No Senegal, também no oeste do continente africano, um caso foi confirmado.

continua após publicidade

CONGO

A República Democrática do Congo (RDC), localizada na África equatorial, também é afetada por um surto do vírus do ebola.

Não há relação, porém, com a epidemia dos países da África ocidental, pois o surto na RDC é causado por uma outra variante do vírus, endêmica no país.

continua após publicidade

O governo da RDC afirmou na terça-feira (2) que o número de mortos pela epidemia no país chegou a 31. Ao todo, 53 casos foram registrados.


NOVO TRATAMENTO

Também nesta sexta (5), a OMS anunciou que especialistas concordaram em usar medicamentos a base de sangue e do soro (material sanguíneo sem os glóbulos brancos e vermelhos) de pacientes que sobreviveram.

"Existe uma oportunidade real para que produtos a base de sangue possam ser usados agora. Isso pode ser muito efetivo em termos de tratamento de pacientes", disse a diretora-geral assistente da OMS, Marie-Paule Kieny.

"Apesar de termos tantos pacientes, um ponto positivo é que também há muitas pessoas que agora estão convalescendo, que sobreviveram e estão indo bem. Essas pessoas podem fornecer sangue e soro para o tratamento", acrescentou Kieny.