Geral

Presidente da Sabesp é convidada a depor em CPI sobre falta de água em SP

Da Redação ·

SÃO PAULO, SP - A Câmara Municipal de São Paulo convidou nesta quarta (3) a presidente da Sabesp, Dilma Pena, a depor na CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) que apura a atuação da companhia na capital paulista.
Segundo a assessoria de imprensa da Câmara, a previsão é que ela compareça em reunião agendada para o próximo dia 17.
Também foram convidados a depor nessa data o secretário municipal de Governo, Chico Macena, e o presidente da Arsesp (Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo), José Luiz Lima de Oliveira.
Eles são chamados para explicar de que forma o serviço de água está sendo prestado na cidade. O convite foi feito por solicitação do relator da CPI, o vereador Nelo Rodolfo (PMDB).
A CPI da Sabesp foi instaurada no dia 6 de agosto por iniciativa da base do prefeito Fernando Haddad (PT) e visa investigar se a companhia estadual de saneamento está cumprindo contrato firmado com a prefeitura.
Os trabalhos da comissão devem durar 120 dias, coincidindo com o período eleitoral. A Sabesp pertence ao Estado, dirigido por Geraldo Alckmin (PSDB), que tenta a reeleição.
ESGOTO
A CPI também aprovou requerimento para que a delegacia especializada em crimes ambientais investigue se está havendo despejo de esgoto em locais irregulares no Jardim Vera Cruz, na zona sul paulistana.
Na última sexta-feira (29), técnicos da Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente e o vereador Ricardo Nunes (PMDB) visitaram o bairro e fizeram um teste na rede de esgotos de uma casa.
Eles jogaram corante no vaso sanitário e deram descarga, para identificar onde os dejetos estariam sendo despejados. A assessoria do vereador forneceu fotos que mostram o corante saindo por uma tubulação a céu aberto, que desembocaria na represa Guarapiranga. Em outra foto, é apresentada conta da Sabesp em que se cobra tarifa de esgoto da residência visitada.
A Secretaria do Verde e do Meio Ambiente afirma que os resultados do teste estão em análise e que laudos devem ficar prontos em cerca de 15 dias.
Procurada, a Sabesp afirmou que o Jardim Vera Cruz é atendido com rede de água, coleta e tratamento de esgotos em todos os imóveis regulares, inclusive na casa onde o teste foi realizado.
Segundo a estatal, são atendidas 5.400 pessoas de maneira regular, mas aproximadamente 7.500 vivem em imóveis não regulares, que por lei não podem ser atendidas pela companhia.
A Sabesp ainda diz que havia realizado um teste do corante na mesma casa, uma semana antes da visita do vereador e dos técnicos da secretaria. A empresa afirma que o teste comprovou "que existe ligação de esgoto no imóvel". 

continua após publicidade