Geral

Assassino de Glauco não tem como viver em sociedade, diz delegado

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Assassino de Glauco não tem como viver em sociedade, diz delegado
fonte: Foto: Polícia Militar do Estado de Goiás
Assassino de Glauco não tem como viver em sociedade, diz delegado

GOIÂNIA, GO - Assassino confesso do cartunista Glauco Vilas Boas e do filho Raoni Vilas Boas, Carlos Eduardo Sundfeld Nunes, 28, o Cadu, não tem condições de viver em sociedade. A afirmação é do delegado que o prendeu, Thiago Damasceno Ribeiro.

continua após publicidade

Para ele, Cadu faz parte de uma quadrilha especializada em roubo de carros e possivelmente tráfico de drogas em Goiânia.

"Ele parece ser mais dissimulado do que propriamente um deficiente mental. Eu não tenho a competência para afirmar isso, pois não sou médico, mas é visível que Carlos Eduardo não tem condições de viver em sociedade", afirmou.

continua após publicidade

Cadu foi preso nesta segunda-feira (1) em Goiânia com um veículo roubado e é suspeito de ter cometido um latrocínio (roubo seguido de morte) e uma tentativa de latrocínio.

Após ter confessado o crime contra Glauco e o filho, em 2010, Cadu recebeu autorização da Justiça para deixar a clínica psiquiátrica onde estava internado, receber tratamento para esquizofrenia e retornar para a casa de seus pais, em Goiânia.

Após a prisão de ontem, o delegado afirma não saber se a inimputabilidade de Cadu será mantida, mas diz que, para os novos crimes, ele passará por outro julgamento.

continua após publicidade

De acordo com o delegado, depois de ouvir duas testemunhas e analisar um vídeo gravado na última quinta-feira (28), Cadu é o principal suspeito da tentativa de assassinato.

Nas imagens, disse o delegado, um sujeito "branco, loiro e de estatura média" foi visto apontando e efetuando disparos contra o agente prisional Marcos Vinícius Lemes de Abadia, 45, que está hospitalizado em estado grave.


TESTEMUNHA-CHAVE

continua após publicidade

Nos próximos dias, vai ser ouvida a namorada do estudante Matheus Pinheiro de Morais, 21, assassinado no domingo (31). O carro de Morais, um Honda Fit branco, foi o motivo de prisão de Cadu no dia seguinte.

À polícia, o assassino confesso de Glauco negou ter atirado contra Morais e Abadia, mas disse que sabia que o veículo usado por ele era roubado.

Segundo o delegado, exames de balística vão determinar, nos próximos dias, se a arma apreendida com Cadu foi a mesma usada nos dois crimes de Goiânia.

Na manhã desta terça-feira, pouco antes da entrevista coletiva de Ribeiro, uma testemunha apareceu na delegacia e reconheceu Cadu como ladrão de seu carro. "Acreditamos que ele cometeu outros crimes além dos dois da semana passada."