Geral

Conflitos étnicos já mataram pelo menos 191 no sul do Quirguistão

Da Redação ·
 Garotos uzbeques preparam-se para deixar a cidade quirguiz de Osh nesta quinta-feira
fonte: AP/no G1
Garotos uzbeques preparam-se para deixar a cidade quirguiz de Osh nesta quinta-feira

Os confrontos étnicos que ocorrem desde o dia 11 no sul do Quirguistão já deixaram pelo menos 191 mortos, segundo o Ministério da Saúde do país da Ásia Central.
 

continua após publicidade

Fontes do Ministério disseram à agência russa "RIA Novosti" que, além das mortes, há 1.971 feridos, sendo que 957 deles foram internados. Várias entidades afirmam que estes números podem ser maiores.

continua após publicidade

Os choques entre quirguizes e uzbeques começaram em Osh, a segunda cidade do Quirguistão, na madrugada da última sexta-feira. Em seguida, os incidentes se propagaram à vizinha Jalal-Abad, apesar do estado de exceção decretado pelo governo provisório quirguiz.

A presidente interina do Quirguistão, Rosa Otunbayeva, também admitiu que o número de mortos pode ser "várias vezes superior" ao número divulgado pelo Ministério da Saúde, já que a tradição local é enterrar imediatamente os mortos, mesmo sem a confirmação do óbito por serviços de medicina legal.

continua após publicidade

As autoridades quirguizes denunciaram que a onda de violência foi provocada por manifestantes próximos ao presidente deposto Kurmanbek Bakiev, refugiado em Belarus.

continua após publicidade

Refugiados


A violência provocou êxodos em massa, com um saldo de pelo menos 400 mil refugiados e deslocados internos, informou à AFP uma porta-voz da Agência de Coordenação para Assuntos Humanitários da ONU, Elisabeth Byrs.

continua após publicidade

"Segundo as últimas estimativas das agências da ONU, há pelo menos 400 mil pessoas refugiadas e deslocadas por causa da violência", explicou Byrs.

O número de refugiados no Uzbequistão é calculado entre 75.000 e 100.000 pessoas, contando apenas os adultos, segundo a porta-voz.