Geral

Gringos descobrem as festas juninas

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Gringos descobrem as festas juninas
fonte: Foto: Rita Barreto/ Bahiatursa
Gringos descobrem as festas juninas

De passagem pelo Brasil para ver a Copa, turistas estrangeiros também se renderam à alegria e ao colorido das festas juninas. Fora do estádio e das baladas das cidades-sede, os gringos reservaram um tempo para conhecer a música, a dança e a comida típica das quermesses locais.

A maioria dos visitantes do exterior chega por indicação ou acompanhada de amigos brasileiros. Entre uma e outra canção sertaneja que tocava anteontem na tradicional quermesse da Igreja do Calvário, em Pinheiros, zona oeste da cidade, era possível ouvir sotaques além do caipira.

continua após publicidade


Um deles era o do mexicano José Luis Valério, de 28 anos, que veio assistir de perto às defesas do goleiro mexicano no jogo contra a seleção brasileira. Depois de experimentar feijoada, foi a vez de Valério provar os pinhões juninos, na companhia de amigos brasileiros que conheceu nos Estados Unidos. "Adorei a comida. É diferente da mexicana, com menos pimenta. Há muita variedade", elogiou ele, que trabalha com comércio eletrônico.
"Quis conhecer a festa por ser mais familiar, como me disseram. Antes fomos só em baladas", contou Valério, que já havia visitado o País no carnaval. Na quermesse do Calvário, segundo ele, viu se repetirem qualidades marcantes do brasileiro. "São sempre abertos e receptivos. E a cultura, em geral, me encanta. Gostei da música sertaneja e do funk", disse.

O publicitário chileno Diego Cuevas Espinoza, de 27 anos, também foi à festa junina do Calvário a convite de amigos brasileiros. "É interessante conhecer o País mais a fundo", explica o turista, que veio a São Paulo assistir à partida entre Chile e Holanda. "Em Santiago, as pessoas não são tão próximas. O contato é mais frio. Aqui estão sempre contentes", afirmou. Segundo ele, que comeu e aprovou as cocadas da festa, no Chile também há quermesses. "Geralmente são nas escolas, com muitas crianças", disse.

Quem está fora quer entrar. Diferentemente de outros estrangeiros, o francês Ludovic Marcer, de 32 anos, chegou à quermesse por acaso, com dois amigos conterrâneos. "Nós andávamos pela rua ao lado, sem rumo certo, e decidimos entrar. A festa parecia animada", explicou ele, que não conhecia as tradições de São João, mas já se empolgou com a música.
A experiência positiva no Brasil fez com que Marcer perdesse aos poucos o medo de arriscar passeios fora do circuito turístico. "Avisaram para ter cautela, que era perigoso. Claro que sigo tomando cuidado, mas não tive problemas até agora", contou o turista, que é professor e mora na Guiana Francesa.

Embora a presença gringa fosse esperada, não houve preparação especial, com treinamento em idiomas. "Dos nossos voluntários, alguns até sabem inglês. Mas tudo dá certo com mímica e boa vontade", disse Maria Guedes Faita, uma das organizadoras. Já a competição com a Copa fez a média de público oscilar durante os fins de semana da festa, que começou em maio. Para agradar os apaixonados por futebol, a aposta foi montar telões entre as bandeirolas verdes e amarelas. "Vários assistem aos jogos aqui mesmo", afirmou Maria. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.