Geral

Justiça americana libera hacker que contribuiu com FBI

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Justiça americana libera hacker que contribuiu com FBI
Justiça americana libera hacker que contribuiu com FBI

SÃO PAULO, SP - A Justiça americana decretou nesta terça-feira (27) o fim da pena de um hacker que se infiltrou nos servidores de várias grandes empresas, mas que ajudou o FBI a frustrar centenas de ataques cibernéticos contra o Congresso, a Nasa, o Exército e outros alvos.

continua após publicidade

Hector Xavier Monsegur, conhecido como Sabu e que havia sido condenado por acusações de sabotagem em 2011, já não tem pendências com a Justiça, depois de ter cumprido sete meses de prisão em 2012.

O Ministério Público Federal pediu excepcionalmente que Monsegur fosse eximido da sentença de entre 21 e 26 anos de prisão que teria correspondido às acusações de que se declarou culpado, ressaltando seu trabalho "produtivo e extremamente valioso" como informante para as autoridades.

continua após publicidade

Após sua prisão, Monsegur colaborou com as autoridades para frustrar ataques cibernéticos e "contribuiu diretamente para a identificação, julgamento e condenação de oito de seus co-conspiradores", incluindo Jeremy Hammond, que era, no momento de sua prisão em 2012, o hacker mais procurados pelo FBI.

Antes de deixar os tribunais do sul de Manhattan, "Sabu", vestindo uma camisa polo preta e calças cinza, assegurou à juíza que não voltará a ter problemas com a Justiça.

"Eu já percorri um longo caminho. Não sou mais a mesma pessoa", garantiu.

continua após publicidade

CARREIRA

Como membro do grupo de hackers Anonymous, Monsegur participou entre dezembro de 2010 e junho de 2011 em ataques cibernéticos contra os governos da Tunísia, Argélia, Iêmen e Zimbábue, de acordo com autoridades.

continua após publicidade

Ele também esteve envolvido na ação de hackers contra os sites das companhias Visa e Mastercard, e a empresa de pagamento online PayPal.
Ele também realizou ataques para o grupo Feds, afiliado a Anonymous, contra os servidores de grandes empresas americanas e estrangeiras, como a HB Gary, Fox Television e o grupo Tribune.

Também agiu em nome do grupo de hackers LulzSec contra o canal americano PBS, Sony Pictures, Sony Music na Bélgica, Rússia e Holanda, a empresa de jogos de computador Nintendo no Japão e o site do Senado americano.