Geral

Mandela foi personalidade maior do século 20, diz Dilma

Da Redação ·
Mandela foi personalidade maior do século 20, diz Dilma - Origem da imagem: R7.com
fonte:
Mandela foi personalidade maior do século 20, diz Dilma - Origem da imagem: R7.com

JOHANNESBURGO, ÁFRICA DO SUL, 10 de dezembro (Folhapress) - Em discurso na cerimônia de homenagem a Nelson Mandela, a presidente Dilma Rousseff disse que o sul-africano foi uma "personalidade maior do século 20".

"Mandela conduziu com paixão e inteligência um dos mais importantes processos de emancipação do ser humano na história contemporânea, o fim do apartheid na África do Sul", declarou Dilma, em discurso de cerca de dez minutos.

Segundo Dilma, "o combate de Mandela transformou-se em um paradigma não só para esse continente, mas para todos os povos que lutam pela justiça e pela igualdade".
 

continua após publicidade
confira também



A presidente discursou em português, para uma plateia desinteressada. O sistema de tradução simultânea para o inglês era muito baixo, tornando impossível sua compreensão pelos anéis superiores do estádio FNB, onde se concentrava a maior parte do público. Muitos aproveitaram o horário do almoço para sair de seus assentos e buscar comida.

De acordo com Dilma, o apartheid foi "a forma mais elaborada e cruel da desigualdade social e política de que se tem notícia nos tempos modernos".

O líder, para a presidente brasileira, que lutou contra a ditadura militar no Brasil, "inspirou a luta no Brasil e na América do Sul".

Dilma discursou como representante da América do Sul e também na condição de integrante dos Brics, bloco que reúne Brasil, Índia, Rússia, China e África do Sul. Também discursaram representantes dos governos indiano e chinês.

Ela chegou nesta madrugada ao país, acompanhada dos ex-presidentes Lula, FHC, José Sarney e Fernando Collor.

"Madiba [apelido de Mandela] constitui exemplo e referência para todos nós, pela estoica paciência com que suportou o cárcere e o sofrimento, pelo profundo compromisso com a justiça e a paz e, sobretudo, por sua superioridade moral e ética", declarou.

Ela só conseguiu provocar alguma reação da plateia no final, ao gritar "Viva, Mandela!", o que foi compreendido por algumas pessoas. Mas o contraste com o discurso imediatamente anterior, o do presidente Barack Obama, que paralisou o estádio, foi enorme.

Depois do discurso, Obama cumprimentou com um beijo no rosto de Dilma e apertou as mãos do cubano Raúl Castro.