Geral

Dilma sanciona lei que garante remédio oral para câncer

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Dilma sanciona lei que garante remédio oral para câncer
Dilma sanciona lei que garante remédio oral para câncer

Por Johanna Nublat

BRASÍLIA, DF, 14 de novembro (Folhapress) - A presidente Dilma Rousseff sancionou hoje a lei que obriga os planos de saúde a cobrir o tratamento oral - geralmente, mais modernos - contra o câncer.

A lei foi sugerida pelo Instituto Oncoguia à senadora Ana Amélia Lemos (PP-RS), que apresentou a proposta no Congresso. O então projeto de lei acabou servindo como pressão para que a ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) mudasse o entendimento de que não era possível obrigar os planos a cobrir a medicação, que é de uso domiciliar (e, não, hospitalar).

No mês passado, a ANS apresentou a atualização do rol de procedimentos de cobertura obrigatória pelos planos de saúde, incluindo 37 drogas orais contra o câncer.

Segundo Luciana Holtz, presidente do Instituto Oncoguia, a lei é uma conquista e dará mais segurança aos pacientes que dependem das drogas orais.

Holtz defende, no entanto, que a ANS adote atualizações mais frequentes do rol de medicamentos (e não bienais), já que há medicamentos orais que ficaram de fora da lista divulgada no mês passado.

Segundo a lei, que entra em vigor em seis meses, devem ser ofertados os medicamentos orais "objeto de protocolos clínicos e diretrizes terapêuticas, revisados periodicamente, ouvidas as sociedades médicas de especialistas da área, publicados pela ANS".
 

continua após publicidade