Geral

Tufão Haiyan deixa pelo menos quatro mortos no sul da China

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Tufão Haiyan deixa pelo menos quatro mortos no sul da China
Tufão Haiyan deixa pelo menos quatro mortos no sul da China

SÃO PAULO, SP, 11 de novembro (Folhapress) - Pelo menos quatro pessoas morreram desde ontem na China devido às chuvas provocadas pela passagem do tufão Haiyan pelo sul do país. Segundo autoridades locais, outras sete pessoas estão desaparecidas.

O tufão chegou ao território chinês pela ilha de Hainan, no fim de semana, onde deixou três mortos, afetou mais de 500 mil pessoas e deixou 39 mil desabrigados. A agência de notícias estatal Xinhua informou que 650 casas foram destruídas ou ficaram danificadas.

Hoje a tempestade chegou à região autônoma de Guangxi Zhuang com ventos de cerca de 118 km/h, após passar pelo Vietnã. Rebaixado a tempestade tropical, Haiyan se desloca em direção ao nordeste do país asiático a uma velocidade de 15 km/h.

Segundo a agência regional para o controle de inundações, uma pessoa morreu afogada na cidade litorânea de Beihai, onde cerca de 12 mil pessoas foram afetadas, tendo em vista que vários rios da região passaram os níveis de segurança por causa das fortes chuvas.

As autoridades locais emitiram um alerta vermelho, o máximo nível, em diversas áreas da região autônoma, onde as escolas e grande parte do comércio seguem fechadas. Em algumas aldeias, a precipitação na noite de ontem superou os 300 mm. No distrito de Fangcheng, em Guangxi, a chuva chegou a 451 mm.

O tufão chegou à China após causar destruição nas Filipinas, onde o governo local afirma que houve 942 mortos, embora autoridades regionais digam que os mortos possam chegar a mais de 10 mil. Durante o fim de semana, a passagem do tufão também causou oito mortos em Taiwan e cinco no Vietnã.

Após a tragédia em território filipino, a China anunciou uma contribuição de US$ 200 mil (R$ 462 mil) em ajuda humanitária. Em entrevista coletiva, o porta-voz da Chancelaria chinesa, Qin Gang, expressou suas condolências ao governo filipino.
 

continua após publicidade