Geral

Mais de 90 imigrantes africanos morrem na costa italiana

Da Redação ·
 Sobreviventes de naufrágio na costa de Lampedusa são resgatados (Foto: Nino Randazzo/ASP press office/Reuters)
fonte:
Sobreviventes de naufrágio na costa de Lampedusa são resgatados (Foto: Nino Randazzo/ASP press office/Reuters)

SÃO PAULO, SP, 3 de outubro (Folhapress) - Mais de 90 pessoas morreram no naufrágio de uma embarcação em que viajavam cerca de 500 de imigrantes africanos, perto da ilha de Lampedusa (sul da Itália), hoje. Cerca de 250 deles permanecem desaparecidos.

O Acnur (agência da ONU para refugiados) afirmou que os passageiros podem ser da Eritreia e provenientes da Líbia. Entre os mortos estão quatro crianças.

Segundo a prefeita da ilha, Giusi Nicolini, entre os sobreviventes, as forças da ordem prenderam uma pessoa que seria a responsável pelo transporte ilegal. "Trata-se de uma tragédia imensa", disse.

Ela conta que, segundo relatos dos sobreviventes, o barco passou várias horas em alto-mar até que decidiu-se por acender uma chama, de modo a facilitar a localização. Mas a embarcação pegou fogo, e muitos imigrantes tiveram de se lançar ao mar. Por fim, o barco virou.

"É um horror. Não param de chegar barcos cheios de corpos. É impressionante", disse a prefeita entre lágrimas enquanto falava por telefone com algumas emissoras de televisão.

O responsável da Agência de Saúde de Palermo, Antonio Candela, que coordena as operações de assistência aos imigrantes resgatados, informou que foram resgatadas 150 pessoas, entre elas dezenas de crianças, algumas com poucos meses de idade, e mulheres grávidas.

Candela explicou que as condições dos sobreviventes eram boas e que, apesar de alguns terem apresentado sintomas de hipotermia, ninguém precisou ser hospitalizado.

Participam das operações de resgate a Guarda Litorânea italiana e a Guardia di Finanza, a polícia de fronteiras do país, além de barcos pesqueiros e embarcações particulares.

Na noite passada, uma embarcação com 463 imigrantes ilegais chegou à ilha. Os imigrantes foram transferidos para um abrigo em Lampedusa, que ontem já tinha atingido sua capacidade máxima de 700 pessoas.
 

continua após publicidade