Geral

Bento 16 nega ter encoberto pedofilia na Igreja Católica

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Bento 16 nega ter encoberto pedofilia na Igreja Católica
Bento 16 nega ter encoberto pedofilia na Igreja Católica

SÃO PAULO, SP, 24 de setembro (Folhapress) - O papa emérito Bento 16 negou que tenha encoberto os casos de pedofilia na Igreja Católica durante quase oito anos em que comandou o Vaticano. Em seu pontificado, surgiram as denúncias mais sérias de padres que abusavam sexualmente de crianças e adolescentes.

A declaração foi publicada hoje pelo jornal italiano "La Repubblica" e está em uma carta destinada ao matemático Piergorgio Odifreddi, que publicou um livro sobre o pontífice. A data da correspondência não foi divulgada, mas é o primeiro pronunciamento do papa publicado após sua renúncia, em fevereiro.
 

continua após publicidade
confira também



Bento 16 manifestou sua "profunda consternação" pelos casos de abusos sexuais contra menores cometidos dentro da Igreja e afirmou que nunca os acobertou.

"O fato de o poder do mal penetrar até este ponto no mundo interior da fé é para nós um sofrimento que, por um lado, não podemos suportar, e por outro, nos obriga a fazer todo o possível para que incidentes deste tipo não voltem a se repetir".

Durante o pontificado de Bento 16, o Vaticano afirmou que o papa decretou tolerância zero aos casos de pedofilia na Igreja Católica. No entanto, o período foi o que teve o maior número de denúncias em todo o mundo, especialmente nos Estados Unidos.

"Se não é lícito se calar ante o mal dentro da Igreja, também não é se calar sobre o grande rastro luminoso da bondade e da pureza que a fé cristã deixou atrás de si ao longo dos séculos".

O papa emérito foi acusado por grupos de vítimas de pedofilia de religiosos de tentar encobrir os abusos a crianças em seu pontificado e também no período em que atuava em outras áreas do Vaticano, durante o pontificado de João Paulo 2º.

Os primeiros casos de pedofilia que provocaram a crise no Vaticano foram publicados em 2002, nos Estados Unidos. Desde então, diversas outras acusações foram reveladas em diversos países. O escândalo sexual, aliado com as denúncias de corrupção no Vaticano, pressionou todo o pontificado de Bento 16.