Geral

Senado instala CPI sem a presença da oposição

Da Redação ·

Por Fernanda Odilla BRASÍLIA, DF, 3 de setembro (Folhapress) - Sem a presença da oposição mais ferrenha ao governo federal, a CPI da Espionagem foi instalada hoje para apurar as denúncias de interceptação de dados de brasileiros pelos EUA. Os senadores escolheram hoje a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) como presidente e o senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES) como relator da comissão parlamentar de inquérito. "Nosso objetivo não é luta política, mas garantir a máxima proteção ao Estado brasileiro", afirmou Vanessa, defendendo expandir o conhecimento sobre o que foi acessado pelos EUA e investigar como a espionagem é operacionalizada, em especial se contou com a participação de empresas brasileiras. Palanque Tradicionais oposicionistas ao governo nas comissões parlamentares de inquérito, os tucanos cederam sua vaga para o senador Pedro Taques (PDT-MT), que apesar de ser de um partido aliado faz parte do grupo dos independentes da Casa. Taques foi escolhido vice-presidente da comissão. Os tucanos acreditam que a CPI será usada pela base de apoio ao governo para dar palanque para Dilma Rousseff, colocando-a como vítima da espionagem norte-americana. "Acho uma bobagem essa comissão. Não vai levar a lugar nenhum", disse o senador Álvaro Dias (PSDB-PR), oposicionista veterano em CPIs. A CPI só foi instalada hoje, com a escolha do presidente e relator, apesar de ter sido criada em 11 de julho, em meio à maratona de votações do Senado que, à época, montou uma pauta para tentar responder as demandas da onda de protestos do mês anterior. As denúncias recentes de que a presidente Dilma Rousseff foi alvo do monitoramento dos EUA fez com que os senadores tirassem a CPI do papel. Depois das revelações, o Brasil solicitou explicações por escrito aos norte-americanos e ameaça cancelar encontro bilateral com Barack Obama marcado para outubro. "Existe uma questão política e empresarial, uma vez que dados comerciais podem ter sido acessados. Existiram falhas no serviço de contra-inteligência do Brasil? Isso deve ser apurado", afirmou o relator Ferraço, que chamou Obama de "camarada". O ponto de partida da CPI serão os documentos revelados por Edward Snowden, ex-técnico da NSA (Agência Nacional de Segurança dos EUA), e divulgados pelo jornalista Glenn Greenwald. Os papeis mais recentes, divulgados pelo Fantástico da TV Globo, mostram uma apresentação na qual a técnica de monitoramento que pode ter sido usada contra Dilma e assessores chave é detalhada. Segundo o documento, o objetivo específico dos EUA era entender métodos de comunicação e identificar interlocutores associados à presidente Dilma e aos seus principais auxiliares. Segundo o Senado, a comissão terá 11 integrantes titulares e sete suplentes, além de orçamento de até R$ 280 mil para gastos como passagem e hospedagem de convidados. No entanto há apenas oito titulares e cinco suplentes formalmente indicados até agora. Proteção policial O primeiro requerimento aprovado pela CPI pede proteção da Polícia Federal a Greenwald. Além de Greenwald, a CPI também quer proteção ao namorado dele, David Miranda, que foi detido por quase nove horas no aeroporto de Londres e teve equipamentos apreendidos em agosto. O requerimento de proteção foi apresentado pela presidente da CPI, senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB). Ela considera Greenwald e Miranda "testemunhas fundamentais para elucidar o objeto desta CPI". "Me parece que a proteção é necessária",afirmou o relator da CPI, senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES). A CPI terá prazo inicial de 180 dias para investigar as denúncias de espionagem dos EUA contra o Brasil. Os senadores aprovaram ainda pedido para a PF fornecer assessores para auxiliar na investigação. Também decidiram pedir uma reunião como ministro José Eduardo Cardozo (Justiça), que esteve na semana passada em Washington para tratar das denúncias de espionagem.  

continua após publicidade