Geral

Governo japonês diz que assumirá comando de crise em Fukushima

Da Redação ·

SÃO PAULO, SP, 2 de setembro (Folhapress) - O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, afirmou hoje que o governo assumirá o comando da gestão da crise na usina nuclear de Fukushima, cujos reatores foram afetados pelo terremoto seguido de tsunami de 2011. Desde então, a operadora da usina tenta resfriar as pilhas atômicas, a fim de evitar um acidente nuclear maior. No entanto, os reservatórios de água radioativa sofrem vazamentos constantes, que ganharam grandes proporções. Abe explicou que o Executivo "tomará as rédeas e iniciará todas as medidas necessárias" para combater os últimos vazamentos de água radioativa ao mar detectados recentemente na central. Para ele, são necessárias medidas contundentes e não soluções improvisadas. Segundo o porta-voz do governo, Yoshihide Suga, o governo anunciará amanhã uma série de medidas para combater os vazamentos. Durante o verão no país (inverno no Brasil), a Tokyo Electric Power (Tepco), que controla a usina, admitiu o vazamento de 300 toneladas diárias de água ao mar. Nesta segunda, a equipe da Tepco encontrou uma nova área com alta radiação perto dos tanques utilizados para armazenar água contaminada. O local está em uma área diferente do reservatório onde ocorre o maior vazamento. Para o presidente da autoridade japonesa de regulação nuclear, Shunichi Tanaka, a água contaminada da usina pode ser jogada ao mar, desde que passe por tratamento. "Em um dado momento será inevitável levar esta água para algum lugar, o oceano ou outro local". "Se decidirmos verter a água no mar, faremos todos os esforços para reduzir os níveis o máximo possível abaixo do limite admissível", disse.  

continua após publicidade