Geral

SP tem média de três sequestros relâmpagos por dia

Da Redação ·

A vendedora ambulante Leilane Souza, de 23 anos, e o empresário Silvio Fisberg, de 50 anos, nunca se viram. Mas foram personagens de uma história que se repetiu em média três vezes por dia na capital paulista este ano: o sequestro relâmpago. Entre 1º de janeiro e 31 março houve 285 casos, segundo levantamento feito pela reportagem em delegacias de São Paulo. A última vítima foi o executivo Carlos Alberto Viviani, encontrado morto anteontem em rua ao lado do Shopping Cidade Jardim.

continua após publicidade

Boletins de ocorrência mostram que o sequestro relâmpago atinge pessoas de várias classes sociais e idades e afeta com mais frequência quem passa em bairros como Pinheiros, Alto de Pinheiros, Vila Madalena, Alto da Lapa (zona oeste), Moema e Jardins (zona sul). As vítimas são abordadas enquanto abrem ou fecham as portas de seus carros, ao celular ou simplesmente ao caminhar pelas ruas.

continua após publicidade

Nas ocorrências, um dado comum: as vítimas geralmente estão sozinhas, ficam sob a mira de revólveres, relatam ameaças de morte e quase sempre presenciam um motoqueiro acompanhando a ação. A primeira exigência do assaltante é o cartão bancário. É com ele que o criminoso saca quantias elevadas entre dois horários: pela manhã e à tarde.

continua após publicidade

A PM afirma que esse tipo de crime é visto pelos infratores como fácil de cometer e rentável. Basta pegar uma pessoa, geralmente distraída num carro, ir a um caixa e sacar o dinheiro. Bandidos podem fazer várias ações num mesmo dia.

Registro

continua após publicidade

Não se sabe se o número de casos aumentou ou não em comparação a 2009. A Secretaria da Segurança Pública não forneceu os dados. "São para uso interno e destinados ao planejamento do trabalho policial", informou a pasta. As informações são do Jornal da Tarde.