Geral

Sequestradas por dez anos em Cleveland agradecem apoio

Da Redação ·





SÃO PAULO, SP, 9 de julho (Folhapress) - Em um vídeo publicado no site YouTube, as três mulheres que ficaram sequestradas por mais de dez anos em uma casa de Cleveland, nos Estados Unidos, agradeceram o apoio da polícia, dos moradores da cidade e dos doadores de uma campanha de arrecadação de fundos para as vítimas.

Amanda Berry, 27, Georgina DeJesus, 23, e Michelle Knight, 32, foram liberadas em 6 de maio após Berry pedira ajuda a um vizinho. As três foram sequestradas entre 2002 e 2004 e mantidas em um cativeiro no porão de uma casa em Cleveland, em que eram estupradas e agredidas.

O principal suspeito da ação, Ariel Castro, 52, foi preso no mesmo dia e acusado de estupro, sequestro e homicídio, já que Michelle Knight o acusa de ter provocado um aborto. O suposto sequestrador também teve uma filha com Amanda Berry, hoje com seis anos.

No vídeo, as mulheres sequestradas agradecem a todas as pessoas que as ajudaram e que respeitaram sua privacidade depois que recuperaram a liberdade.

"Obrigado a todos por suas orações. Espero ansiosa por minha nova vida", afirmou Michelle Knight. "Talvez tenha vivido um calvário, mas sou suficientemente forte para caminhar pelo inferno com um sorriso no rosto, com a cabeça erguida e com os pés na terra."

"Cada dia me sinto mais forte e conservar minha privacidade tem me ajudado imensamente. Peço a todos que continuem respeitando nossa privacidade e nos deem tempo, para que tenhamos uma vida normal", disse Amanda Berry.

Georgina DeJesus, a mais tímida das três, se limitou a agradecer pelo apoio recebido. Ela aparece no vídeo ao lado dos pais. As três foram beneficiadas por um fundo criado por uma ONG para recolher doações, que já arrecadou cerca de US$ 1 milhão (R$ 2,2 milhões).

O acusado do sequestro, Ariel Castro, continua preso, a espera do julgamento. Sua primeira audiência sobre o caso está marcada para o próximo dia 24.
 

continua após publicidade