Geral

Explosão em área dominada pelo Hizbullah deixa 18 feridos em Beirute

Da Redação ·





SÃO PAULO, SP, 9 de julho (Folhapress) - Pelo menos 18 pessoas ficaram feridas hoje após a explosão de um carro-bomba no bairro de Bir al-Abed, em Beirute, no Líbano. A região, de maioria xiita, é uma dos pontos de maior predominância do grupo radical islâmico Hizbullah.

Segundo autoridades locais, o carro foi estacionado em uma região de compras do bairro. A explosão foi por volta das 11h15 (05h15 em Brasília), momento em que milhares de pessoas faziam as últimas compras para o início do Ramadã, mês sagrado para os muçulmanos.

Uma nuvem de fumaça negra foi formada após a detonação dos explosivos, que também incendiou e destruiu lojas e prédios vizinhos, além de dezenas de carros estacionados. Após o atentado, a região foi cercada por homens armados do Hizbullah.

O bairro é um dos principais locais de moradia de xiitas da cidade e abriga escritórios do grupo radical, uma das principais forças políticas e armadas do país. Nenhum grupo reivindicou o atentado, mas a principal suspeita é de que a ação tenha sido promovida por organizações sunitas.

A tensão sectária no Líbano aumentou nos últimos meses devido ao acirramento da crise na vizinha Síria. Em maio, o Hizbullah enviou milhares de combatentes ao país vizinho para ajudar o regime de Bashar al-Assad a recuperar parte do território do país perdido para os rebeldes, de maioria sunita.

A presença do grupo radical provocou ameaças dos opositores sírios e dos sunitas libaneses, que também se mostraram contra a operação. Mais cedo, o líder do Hizbullah, Hassan Nasrallah, voltou a dar apoio a Assad e afirmou que seu grupo continuará a combater na Síria até que Damasco retome o controle do país.

A última explosão a atingir a capital libanesa foi em outubro, quando o dirigente sunita Wissam al Hassan, que apoiava os rebeldes sírios, foi morto em um atentado terrorista. Em maio, um bairro xiita de Beirute foi alvo de um ataque com um foguete militar, sem deixar feridos.

A preocupação é que o conflito na Síria leve o Líbano a uma nova guerra civil, como a terminada em 1990. Os confrontos causados pela tensão no país vizinho começaram no norte libanês, mas avançam por outras áreas do país, como a cidade de Sidon e alguns bairros da capital Beirute.
 

continua após publicidade